Jornal do Commercio
VERSOS

Weydson Barros Leal lança seu novo livro de poemas, 'Ópera Jazz'

Na obra, personagens da literatura aparecem como fantasmas de um poema repleto de trilhas sonoras

Publicado em 25/04/2017, às 15h27

Weydson Barros Leal faz uma espécie de poema narrativa na obra, dividida em 21 capítulos / Cristiano Sant'Anna/Divulgação
Weydson Barros Leal faz uma espécie de poema narrativa na obra, dividida em 21 capítulos
Cristiano Sant'Anna/Divulgação
JC Online

Ao compor – e talvez compor seja um verbo tão preciso quando escrever neste caso – o seu novo livro de poemas, o escritor e crítico pernambucano Weydson Barros Leal tinha um objetivo. Queria celebrar a literatura, a música, a ópera e o teatro escancarando todos os portões que os separam. Nascia assim o volume Ópera Jazz, editado pela Confraria do Vento e lançado terça (25), às 19h, na Galeria Arte Plural.

Ópera Jazz é um poema narrativo, em certo sentido, mas seu fluxo é mais poético e trôpego do que cronológico. Como o título sugere, é um livro que concilia tanto uma estrutura – é todo metrificado – como a liberdade de passear por cenas, trilhas musicais, lembranças fantasmagóricas. Na verdade, tudo isso é presenciado por um personagem durante uma só noite de jazz em um bar.

“Queria que o livro tivesse uma liberdade absoluta em relação a cronologia, coma liberdade do jazz, que recomeça a qualquer momento, se repete, dá saltos. Busquei que Ópera Jazz fosse um grande palíndromo, que mostrasse alguém sentado, com músicas passando na sua frente. É um grande teatro de loucos com trilha sonora”, explica o autor.



PERSONAGENS

O personagens da obra são personagens de fato – foram retirados de romances, como o principal, Giovanni, da obra O Deserto dos Tártaros, de Dino Buzzati. Ainda aparecem figuras como Carmen, da famosa ópera, Anna Karenina e Emma Bovary. “Elaborei o poema como uma estrutura, tentando manter a tensão dele em todos os momentos. Sou como um observador secreto desses personagens de grandes livros que elegi como meus protagonistas”, conta Weydson.

As cenas que se desdobram no bar Montreux vão trazendo belos momentos poéticos, mostrando que se trata de uma obra sobre um inferno maior que todos os outros, “o inferno da ausência”. Afinal, acompanhado de seus personagens, o poema lembra que “a beleza não é a verdade”.

Os 21 capítulos da obra ainda são recheados de referências musicais – afinal, a narrativa é um teatro vazio, mas com trilha. “Queria criar uma trilha sonora para o poema dentro dele. Sempre há uma música tocando. Um leitor atento vai notar Aretha Franklin, Randy Crawford – uma cantora genial, que tem três músicas que marcaram a minha vida –, o Woodstock, o jazz e até nomes brasileiros, como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Baden Powell, Egberto Gismonti e João Donato”, elenca Weydson.


Serviços

Lançamento de Ópera Jazz, de Weydson Barros Leal - terça (25), às 19h, na Galeria Arte Plural (Rua da Moeda, 140, Bairro do Recife).

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM