Jornal do Commercio
DIGITAL

Empresa oferece serviço de edição de e-books para escritores

A Paradoxum se propõe a cuidar de tecnicalidades para permitir que autores cuidem apenas do texto

Publicado em 04/05/2017, às 06h20

O Paradoxum quer atender escritores de todo o Brasil / Reprodução
O Paradoxum quer atender escritores de todo o Brasil
Reprodução
JC Online

Foi ao observar a dificuldade de escritores e pequenas editoras para lidar com as inúmeras etapas e tecnicalidades da edição de e-books que a empresa Paradoxo Zero, sediada em Brasília e no Recife, começou a pensar em atender essa demanda. Surgia assim a Paradoxum, focada em oferecer um atendimento especial para quem lançar um e-book nas principais plataformas de venda do país. A empresa oferece uma palestra de apresentação nesta quinta (4/5), às 19h, no auditório do Porto Digital (Rua do Apolo, 235, Bairro do Recife).

Não se trata de uma editora, é bom frisar: a Paradoxum é um serviço pago, que pode incluir a diagramação, conversão e até revisão do material. “A gente quer que o autor se preocupe com a literatura dele, com a concepção de um trabalho. A gente se preocuparia com o restante, dentro das ideias do autor. Pegamos um documento simples e trabalhamos com ele até chegar nas prateleiras virtuais”, explica Fabiola Blah, gerente-executiva do projeto.

Segundo ela, a empresa surgiu dessa demanda de autores por e-books bem feitos. “Nós nos comprometemos a fazer o projeto para que o escritor não se preocupe com nenhuma tecnicalidade ou questão de compatibilidade entres os vários leitores de e-books”, define Fabiola. O custo do serviço pode variar não é divulgado e pode variar, dependendo da complexidade da obra.



MERCADO DE E-BOOKS

A sede no Recife já existia como parte da Paradoxo Zero – a Paradoxum é um desdobramento dela. “Reunimos nosso conhecimento nesse braço editorial. Começamos aqui por essa facilidade de sede, não é por nenhuma observação de um mercado de e-books”, comenta. Atualmente, o mercado de e-books responde por 10% do mercado de livros no Brasil – nos Estados Unidos, a participação do digital varia entre 20% e 25%.

Plataformas de vendas de e-books, como a própria Amazon, oferecem modelos simplificados de edição de e-books. Existem também sites como o Autografia, Cia do E-book, entre outros.

A Paradoxum promete ceder, em casos específicos, até 70% do valor do livro como direito autoral para os escritores – é, segundo Fabiola, um valor maior do que as grandes casas editoriais costumam cobrar, mas é semelhante ao que a Amazon oferta. “Editoras tradicionais acabam querendo aplicar na edição digital a mesma estratégia dos livros físicos, que são caros por conta da impressão e da circulação. Acreditamos que os livros digitais têm menos custos e deviam ser mais baratos”, afirma Fabiola.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM