Jornal do Commercio
LUTO

Antonio Candido: intelectuais e amigos lamentam a morte do crítico

O crítico literário, autor de livros como 'Formação da Literatura Brasileira', morreu nesta sexta (12) aos 98 anos

Publicado em 12/05/2017, às 18h20

Antonio Candido foi um dos maiores críticos literários do Brasil / Marcos Santos/USP
Antonio Candido foi um dos maiores críticos literários do Brasil
Marcos Santos/USP
Estadão Conteúdo

Intelectuais e amigos do crítico literário e sociólogo Antonio Candido lamentam a sua morte, ocorrida nesta sexta-feira, 12. Candido, que tinha 98 anos, estava internado no Hospital Alberto Einstein, na zona sul São Paulo, com problemas no intestino.

Dono de uma das obras mais fundamentais da intelectualidade brasileira, é autor de livros fundamentais, Candido formou uma maneira de pensar a literatura brasileira que influenciou toda a crítica literária do País desde então.

"Estava muito lúcido, era incrível. A gente conversava sempre. De repente isso aconteceu. A gente perdeu mais do que um amigo, mas o espírito de um tempo. Ele atravessou vários momentos da história, mesmo os sombrios, sem perder nenhum sentido dos valores, de todo o julgamento das coisas. Era de uma sutileza incrível", disse o filósofo Adauto Novaes.



"A dificuldade das coisas que ele escrevia estava nessa simplicidade. Discutia tudo o que estava acontecendo no País. Nunca perdia o fio da história. Ele seguiu o curso do tempo, em todos os momentos do pensamento", concluiu.

ACADEMIA

"A Academia sempre quis que ele fosse candidato, sempre teve o maior empenho. Ele não aceitava por temperamento. Era um homem que não gostava muito dos holofotes", afirmou o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Domício Proença Filho.
"Não poderia se dedicar como gostaria, morando em São Paulo, e com as múltiplas atividades que tinha. Ele sempre se recusou, com muita delicadeza. Era uma liderança intelectual. Era um dos nossos maiores críticos, dos mais representativos estudiosos da literatura brasileira", comentou Proença Filho.

"É um marco na crítica brasileira. Não fui aluno dele, mas foi meu mestre através dos livros. Estava muito lúcido e atuante, preocupado com o que está acontecendo na literatura e na cultura Era interessado na vida do Brasil. Uma liderança intelectual, uma das pessoas que pensam o País", completou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM