Jornal do Commercio
LITERATURA

Temas sociais e do mercado digital marcam o segundo dia da Bienal do Rio

Evento literário contou também com a participação do pernambucano Bruno Mendes, da empresa Coisas de Livreiro

Publicado em 01/09/2017, às 20h10

Bruno Mendes (direita) e Marcelo Gioia debateram o mercado digital de livros / Foto: Felipe Panfili/ Divulgação
Bruno Mendes (direita) e Marcelo Gioia debateram o mercado digital de livros
Foto: Felipe Panfili/ Divulgação
Valentine Herold

Assim como o próprio espaço da 18° Bienal do Livro do Rio, a programação do evento se revela bastante heterogênea e integrando todo tipo de público. Ontem, durante o segundo dia da maior feira literária do País, adultos, adolescentes e crianças circularam pelo RioCentro, de estande em estande, a procura de livros, ou assistindo às palestras e debates. Temas políticos e sociais estão pautando o evento este ano, assim como os relacionados ao mercado editorial, e hoje não foi diferente.


Paralelamente à programação infantil - que reuniu a criançada no espaço EntreLetras e no Geek & Quadrinhos -, um dos debates que chamou a atenção do público que procurava se informar sobre o mercado de livro foi o do Espaço Livro Digital, “Mercado: como o universo digital ajuda a vender mais livros?”. A conversa contou com a presença do diretor no Brasil da empresa Bookwire, empresa alemã de distribuição digital, Marcelo Gioia, e com o pernambucano Bruno Mendes, da #coisadelivreiro. O debate foi pautado a partir do crescimento do livro digital no Brasil e as adaptações do mercado.


“Enxergo o crescimento do livro digital no âmbito nacional como sendo bem orgânico”, analisou Marcelo. "Atualmente entre 3 a 7% do faturamento das editoras vem do digital. Essa é a média, porque tem editora em que esse número sobe para 20%.” Em relação ao público do mercado digital, tanto o diretor da Bookwire quanto Bruno não acreditam que ele deva ser analisado de maneira categórica. “Temos que discutir leitor em potencial, sabemos que o fetiche pelo objeto livro não vai acabar”, acrescentou o pernambucano.


Bruno, inclusive, começou sua trajetória na área editorial no Recife, há cerca de 10 anos, como vendedor da Livraria Cultura. Seguiu para o Rio ainda pela empresa, mas decidiu depois montar seu próprio negócio, sem jamais sair do foco da literatura. “A Coisa de Livreiro é uma empresa de consultoria em gestão e planejamento de negócios. Temos um braço multimídia também, através do qual atendemos editoras e youtubers, agenciando-os”, explicou, feliz ao lembrar da terrinha.




Feminismo e cidadania

 A noite foi marcada por questões de cunho mais político, tanto na programação da Arena #SemFiltro como na do Café Literário. Na primeira, Mario Sergio Cortella e Marcelo Tas debateram os temas presentes no livro que lançaram recentemente, “Basta de cidadania obscena!”, escrito a quatro mãos. A mediação ficou por conta de Lucas Salles, tratando de assuntos polêmicos da sociedade contemporânea, como engajamento e redes sociais.

Ao mesmo tempo, na sala do Café Literário, as escritoras Giovana Madalosso, Ana Paula Maia e Antonia Pellegrino conversam sob mediação de Marina Gonçalves sobre o feminismo na atualidade, as vitórias já conquistadas pelo movimento e os problemas que persistem na luta pela igualdade de gênero e pelo respeito às mulheres.

Amanhã passam pela Bienal nomes como os de Frei Betto, Jenny Han, Ana Maria Machado, Paula Hawkins, Gabriel Sá e Lilia Shwarcz. Os debates continuam ao longo do terceiro dia, assim como a popular programação do Geek & Quadrinhos, que conta com batalha de ilustrações, games e gravação de podcasts.

A repórter viajou a convite da Saraiva.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM