Jornal do Commercio
RELIGIOSIADE

Frei Trito lança livro sobre vida e obra de Frei Caneca nesta terça

Obra faz parte das comemorações da Cepe para celebrar os 200 da Revolução Pernambucana. Frei Caneca foi uma das memoráveis figuras daquela época

Publicado em 12/09/2017, às 11h49

Quadro
Quadro "Estudo para Frei Caneca", de Antônio Parreiras, de 1918
Foto: Reprodução
JC Online

Em uma simples busca na internet, o nome de Frei Caneca resulta em algumas surpreendentes associações. Participante ativo da Revolução Pernambucana (1817) e na Confederação do Equador (1824), o religioso que nasceu no fim do século 18 e faleceu na primeira metade do século 19 dá hoje nome a empreendimentos como farmácia, shopping, teatro, cinema e rádio. Mas quem foi de fato esse personagem tão marcante nas questões sociopolíticas de seu tempo e de que maneira se deu sua atuação religiosa? São essas perguntas que Frei Tito Figueiroa de Medeiros procurou explorar e responder no livro Frei Caneca - Vida e Escritos, cujo lançamento ocorre hoje, às 19h, na Arquidiocese de Olinda e Recife.

A obra é editada pela Cepe e faz parte dos lançamentos da editora que celebram os 200 anos da Revolução de 1817. O desafio de Frei Tito era “traduzir” para a contemporaneidade (inclusive a linguagem atual) os escritos de Frei Caneca. Ele era, segundo seu biógrafo, um “precursor do tipo ‘intelectual orgânico’, descrito por Gramsci, pelo seu ardor em participar ativamente das lutas pela liberdade política do Brasil”.

"Eu venho pesquisando sobre o Frei Caneca, vida e obras, desde 1977", relembra o autor. "Julgo que ele tem muito a dizer, não tanto por sua doutrina, em parte já ultrapassada, mas pelo espírito de lutador pela liberdade e direitos humanos que o caracterizou, sem no entanto, deixar de ser um homem do seu tempo, liberal, não um socialista, mas um pensador democrata liberal, podemos dizer. E, dentro desses parâmetros, idealizador e propositor de uma nova sociedade, como ele faz entrever nos princípios que escreveu para um projeto de Constituição para a Confederação do Equador, o movimento revolucionário de 1824."

O livro

A primeira parte do livro traz dados biográficos daquele que foi batizado como Joaquim do Amor Divino Rabelo Caneca e cuja vida foi dedicada à religião e à luta política. Frei Caneca faleceu jovem, aos 45 anos, por execução devido a seu envolvimento com a Confederação do Equador, acusado de “escritor de papéis incendiários”. Sua morte, que deveria se dar por enforcamento, foi mudada nos últimos instantes por fuzilamento. O motivo? Frei Caneca era adorado por todos e ninguém queria aceitar cumprir o papel de carrasco.



Após relatar fatos e feitos da vida de Frei Caneca, Frei Tito opta por dividir com os leitores um parecer da historiadora Emília Viotti da Costa sobre o Iluminismo e como o pernambucano fazia parte do chamado “clero iluminista”. Dois sermões do frei são também reproduzidos em Frei Caneca - Vida e Escritos: o primeiro com enfoque na oração e pregado em 1823, e o segundo denominado de Sermão da aclamação de Dom Pedro I. Este último foi solicitado ao pernambucano em 1822, na ocasião da celebração no Recife da coroação do imperador, que ocorreu no Rio de Janeiro mas foi comemorada em diversas cidades. O texto, segundo Frei Tito, “respira alegria e otimismo diante do futuro da Pátria” por ele justamente acreditar no respeito que Dom Pedro teria em relação à constituição redigida naquele mesmo ano.

O envolvimento de Frei Caneca com as questões políticas é ressaltado também através de um texto de sua autoria, intitulado Dissertação sobre o que se deve entender por pátria do cidadão, e deveres deste para com a mesma pátria. É um texto didático em que o religioso reflete sobre os significados da pátria e analisa um assunto até hoje bastante atual: os imigrantes.
As notas complementares escritas por Frei Tito Figueiroa de Medeiros ao fim de cada capítulo são ricas em informações e auxiliam na leitura. O autor, além de presidente da Comissão Arquidiocesana de Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, é doutor em Ciências Humanas pelo Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ.  

Serviço: Lançamento do livro Frei Caneca - Vida e Escritos. Hoje, às 19h, na Arquidiocese de Olinda e Recife (Avenida Rui Barbosa, 409, Graças). Entrada gratuita. Informações: 3271-4270


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM