Jornal do Commercio
Literatura

Morre o poeta pernambucano Marcus Accioly, aos 74 anos

Vencedor do Prêmio Olavo Bilac (ABL) e membro da Academia Pernambucana de Letras, Marcus Accioly deixa como legado uma vasta produção literária

Publicado em 21/10/2017, às 16h30

Marcus Accioly / Michele Souza/JC Imagem
Marcus Accioly
Michele Souza/JC Imagem
JC Online

A literatura perdeu neste sábado (21/10) um de seus nomes mais proeminentes. Segundo informações de Margarida Cantarelli, presidente da Academia Pernambucana de Letras, o poeta pernambucano Marcus Accioly faleceu na manhã deste sábado, aos 74 anos. O corpo será velado amanhã, na prefeitura de Aliança-PE e sepultado às 11h, no cemitério do município. 

Vida e obra

Marcus Morais Accioly nasceu em Aliança, município da Mata Setentrional Pernambucana, em 21 de janeiro de 1943, e foi integrante da Geração 65 e do Movimento Armorial. Membro da Academia Pernambucana de Letras, na qual ocupa a cadeira 19, deixada por João Cabral de Melo Neto e que tem como patrono Paulo Arruda, tendo sido eleito no dia 24 de Janeiro de 2000 e empossado no dia 26 de outubro do mesmo ano, Accioly deixa uma vasta contribuição literária como legado.

O escritor graduou-se em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco, e Pós-graduou-se em Teoria Literária pela Universidade Federal de Pernambuco, onde ministrou aulas até sua aposentadoria.



Vencedor, entre várias honrarias, do Prêmio Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras, e Prêmio de Poesia, da Associação Paulista dos Críticos de Artes, ambos pela obra Narciso, o poeta deixou como legado uma vasta produção literária. Além de ter publicado 14 livros e deixado dez inéditos, Marcus contribuía para o Jornal do Commercio com artigos de opinião publicados quinzenalmente às quintas-feiras.

Confira o último artigo de opinião do poeta, publicado na quinta-feira passada (19/10) do Jornal do Commercio.

Obras: Cancioneiro (1968); Nordestinados - poemas Canção (1971); Xilografia (1974); Sísifo (1976); Poética (1977); Ó(de)Itabira (1980); Narciso (1984);Íxion (1986); Guriatã (1986); Para(ti)nação (1986); Poética-PopularÉrato Latinoamérica; Louvação & Incelença; O Exílio da Canção


Recomendados para você


Comentários

Por Jodeval Duarte,21/10/2017

É difícil encontrar por aí uma pessoa que some mais. Ele não era apenas um poeta de máxima grandeza, mas um intelectual excelente em tudo que produzia. É besteira dizer que ninguém é insubstituível. Marcus Accioly não tem substituto.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM