Jornal do Commercio
MODA

Os 70 anos da Dior, que nasceu da arte e foi para a alta-costura

As sete décadas da marca são celebradas em uma exposição com 300 vestidos e muitas obras de arte

Publicado em 04/07/2017, às 19h45

O criador da marca, Christian Dior / Reprodução
O criador da marca, Christian Dior
Reprodução
Anne-Laure Mondesert, da AFP

Paris apresenta a maior exposição já realizada da marca francesa Dior, cujos 70 anos de história estão intrinsecamente ligados a seu fundador, Christian Dior, para quem a base da alta-costura era a arte.

Trezentos vestidos confeccionados entre 1947 até a presente data, mil documentos e dezenas de obras de arte serão exibidos a partir desta quarta-feira (5) no Museu de Artes Decorativas.

Nascido em uma família de industriais franceses, Christian Dior (1905-1957) foi um homem de grande cultura, que trabalhou em uma galeria antes de se transformar em um dos estilistas mais celebrados da moda.

"Não foi alguém que se interessasse pela arte depois de fazer fortuna. Dior partiu da arte para a alta-costura", lembrou Olivier Gabet, diretor do museu e curador da exposição junto com a historiadora Florence Müller.

Amigo de artistas, como Jean Cocteau, Max Jacob e Picasso, abriu uma galeria em Paris com um grupo de sócios, defendendo "a arte moderna e contemporânea mais vanguardista", contou Gabet.

"Foi quem apresentou pela primeira vez em uma galeria gente como Alberto Giacometti e Salvador Dalí", acrescentou.

O New Look

Na exposição, como não poderia deixar de ser, homenageia-se o "New Look", o estilo que Dior concebeu em 1947, depois da Segunda Guerra Mundial. Esse estilo deu um "novo ar" à mulher, com cinturas ajustadas, saias longas e rodadas e ombros naturais.

O "New Look" influenciou não apenas os estilistas contemporâneos de Dior, como continua inspirando os estilistas atuais, assim como os seis diretores artísticos que lhe sucederam na direção de sua maison.

Saint Laurent, o sucessor

Depois da morte de Christian Dior, aos 52 anos, o jovem Yves Saint Laurent assumiu as rédeas. Sua primeira coleção, "Trapézio", valeu a ele o apelido de "O Pequeno Príncipe da moda".



Também foi determinante sua coleção "Beatnik", inspirada nos motoqueiros e em suas jaquetas de couro, que chocaram as clientes da época.

Marc Bohan e o 'Slim Look'

Apesar de ficar 29 anos - um recorde - à frente da direção artística da Dior, o francês Marc Bohan parece ter caído um pouco no esquecimento.

"A extravagância de seus sucessores ofuscou um pouco seu período, mas ele teve muito êxito na época", afirma Müller.

Com Bohan, as saias ficaram mais curtas, e ele foi o inventor do "Slim Look", uma silhueta adolescente e mignon, muito em sintonia com os anos 1960. Entre suas clientes, destacou-se, por exemplo, Grace Kelly.

Ferré e Galliano, a exuberância

Sob a batuta do italiano Gianfranco Ferré, o marca voltou às origens, com vestidos elegantes e finamente bordados, além de plumas e flores.

John Galliano irrompeu no mundo da alta-costura com sua excentricidade à inglesa e também foi fiel ao fundador da Dior, com "uma visão da feminilidade muito exacerbada: a cintura estreita, os quadris amplos, o busto em destaque", segundo a curadora.
- Raf Simons, o minimalista

O belga Raf Simons tinha fama de ser minimalista, mas a exposição é a ocasião para desmentir isso, ressalta Müller.

"Pode dar a sensação de que é muito simples, mas, de perto, pode-se observar a complexidade do trabalho", enfatizou, mostrando um bordado em três dimensões e um vestido confeccionado inteiramente com pequenas plumas.

Maria Grazia Chiuri, a 'prima donna'

Nomeada em 2016, a italiana Maria Grazia Chiuri é a primeira mulher a chefiar a criação artística da Dior. Os vestidos expostos mostram uma visão delicada da mulher, com muitos bordados recobertos por tule.

"Esta exposição não fala apenas da maison Dior. Fala de cada época e de suas mulheres. É isso que me fascina", conclui a diretora artística.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM