Jornal do Commercio
Percussão

Maureliano, o homem das alfaias de maracatu

Percussionista já tocou na banda Via Sat

Publicado em 30/06/2012, às 06h20

AD Luna

 

Nos anos 1990, durante a eclosão e desenvolvimento da manguebeat, muitos jovens de classe média despertaram o interesse por manifestações da cultura popular devido à influência de grupos como Chico Science e Nação Zumbi (CSNZ) e Mestre Ambrósio. Hoje em dia, se tornou comum ver adolescentes e pessoas com seus 20 e poucos anos empunhando tambores de maracatu, durante o Carnaval e por todo o ano. E o construtor de muitas dessas alfaias é o percussionista Maureliano Ribeiro.

Mau, como também é chamado, nasceu há quase 47 anos (que se completarão em agosto), com a ajuda de uma parteira que executou o trabalho na antiga casa do luthier no bairro de Peixinhos, na divisa entre Olinda e Recife. “Naquele tempo, a estrutura de saúde da localidade era bem precária”, relembra. 

Maureliano constrói suas alfaias em uma oficina, montada ao lado de sua casa, no bairro de Jardim Primavera, em Camaragibe – município da Região Metropolitana do Recife. A feitura desses artefatos sonoros começou como um meio de suprir a carência de instrumentos de percussão dos alunos para os quais ele dava aula, no início dos anos 1990, no Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo. O centro está localizado na comunidade de Chão de Estrelas, no bairro de Campina do Barreto, vizinho a Peixinhos.  

Também é da região de Peixinhos o Lamento Negro, bloco de percussão fundado em meados dos anos 1980 e que serviu de base e inspiração para os experimentos rítmicos de Francisco de Assis França, o Chico Science. “Eu que formei e ensinei os caras que tocavam percussão com ele no Lamento. Chico cantava apenas acompanhado pelos tambores, depois é que entrou guitarra, baixo”, conta Mau. Ele refere-se indiretamente à junção do Lamento Negro (que contava com Gilmar Bola 8) com a Loustal, que além de Science, era integrada pelo guitarrista Lúcio Maia e pelo baixista Dengue, futuros companheiros de Chico no CSNZ, junto com o percussionista Bola 8.

Do Lamento Negro também surgiu, em 1993, a Via Sat. Liderada pelo vocalista Pácua e com Maureliano entre seus percussionistas, a banda mistura frevo, hip hop, maracatu, funk, rock, jungle e lançou seu primeiro CD, homônimo, em 2000. Ele deixei o grupo em 2005 para me concentrar na fabricação e venda dos tambores, que vinha crescendo desde a ascensão do manguebeat. “A gente vai envelhecendo, a barriga cresce e a casa vai se enchendo de menino. É difícil ganhar dinheiro apenas tocando”, sentencia prosaicamente Mau, que possui três garotos e uma filha adolescente.

EXPORTAÇÃO

Até hoje, Maureliano fornece alfaias para a Nação Zumbi. Ele também fabrica outros inúmeros instrumentos de percussão como ilús, agogôs, pandeiros, caixas, maracaxás. Sobre o número de venda dos tambores de maracatu, ele diz que varia bastante e não consegue precisar. “Carnaval é uma época muito boa para as vendas. Sempre aparecem aqui grupos de estrangeiros querendo conhecer e comprar. Já recebi gente do Japão, Holanda, Alemanha e Cingapura”, enumera. 

Alguns deles chegam até sua oficina por conta da inclusão do local em roteiro propostos por guias turísticos. Mau conta que, certa vez, foi comunicado que um grupo de seis americanas iriam visitar sua oficina. Por não falar inglês, ele pediu auxílio à Prefeitura de Camaragibe, que não contribuiu. “Quem acabou me ajudando a falar com elas foi uma garota de programa”, revela.

O preço das alfaias varia entre R$ 350 e R$ 400 e as caixas custam R$ 290. No Brasil, os lugares para os quais ele mais envia suas criações são as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. Na Europa, ele tem um cliente que revende os tambores para outros países.

Para informações sobre compra de instrumentos, Maureliano disponibilizou o e-mail maurelianobarravento@yahoo.com.br.

Leia a matéria completa no Caderno C deste sábado (30).

 

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM