Jornal do Commercio
luto

Morre em São Paulo sanfoneiro pernambucano Dominguinhos

Músico estava internado em estado crítico desde dezembro de 2012

Publicado em 23/07/2013, às 19h54

 / Foto: Rodrigo Lobo/JC Imagem

Foto: Rodrigo Lobo/JC Imagem

Do JC Online

O cantor Domiguinhos, 72 anos, morreu às 18h desta terça-feira (23), no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde estava internado desde janeiro. De acordo com o boletim médico do hospital, Dominguinhos faleceu em decorrência de complicações infecciosas e cardíacas. A família deve fazer um velório na capital paulista e realizar o desejo do músico de ser sepultado em Garanhuns, sua cidade natal.

O músico foi internado na UTI do Hospital Santa Joana, no Recife, em 17 de dezembro de 2012 com um quadro de infecção respiratória e arritmia cardíaca após um show em homenagem a Luiz Gonzaga na cidade de Exu. O sanfoneiro lutava há seis anos contra um câncer de pulmão e foi transferido para o Hospital Sírio-Libanês no dia 13 de janeiro, depois de sofrer uma parada cardíaca na capital pernambucana.

Em entrevista ao JC Online, o filho mais velho do cantor, o engenheiro de gravação Mauro Moraes, comentou com pesar a morte do pai. "Eu não tenho palavras para falar do meu pai, uma pessoa querida. Mesmo a gente tendo pouco contato nesse tempo todo, eu sempre fui muito apaixonado por ele. Uma pessoa boa, humilde e que respeitava todo mundo. Como músico então eu não tenho nem o que falar. É uma perda enorme. Ele foi um homem muito forte pra aguentar esse tempo todo, ele estava sofrendo muito. Ele foi com Deus e virou mais uma estrela lá no céu", lamenta.

A reportagem entrou em contato com Liv Moraes, filha do cantor, mas ela não quis se pronunciar sobre a morte do pai. Uma amiga atendeu ao telefonema e informou que a situação estava sob controle.

TRAJETÓRIA - José Domingos de Moraes nasceu em 12 de fevereiro de 1941 no município de Garanhuns, no Agreste pernambucano. Ele foi sanfoneiro, cantor e compositor. Entre as influências musicais estão o baião, bossa nova, forró e o xote. Filho de um afinador de sanfonas e sanfoneiro, mestre Chicão, Dominguinhos aprendeu a tocar sanfona com apenas seis anos de idade. Ainda pequeno, ele  e os seus dois irmãos formavam o trio "Os Três Pinguins", que  se apresentava em feiras livres e portas de hotéis.

Na década de 1950, ele teve a oportunidade de conhecer Luiz Gonzaga. Na ocasião, ele ainda tinha nove anos de idade, e se apresentava em frente ao hotel em que o rei do baião estava hospedado. Na época, Gonzagão ficou impressionado ao ver o menino tocando e fez um convite de viagem ao Rio de Janeiro. Após quatro anos, Dominguinhos viajou acompanhado de seu pai e irmãos à Cidade Maravilhosa. Luiz Gonzaga o colocou em sua banda e passou a fazer shows com ele. Com o tempo, Dominguinhos foi fazendo carreira solo e se aproximando de músicos da bossa nova e do jazz. Entre as parcerias no meio musical estão Elba Ramalho, Gilberto Gil, Toquinho e Maria Bethânia.

RECONHECIMENTO - Dominguinhos era reconhecido internacionalmente pelo seu talento e, como consequência de seu sucesso, recebeu vários prêmios dentro e fora do Brasil. Em 2002 o sanfoneiro ganhou o Grammy Latino com o CD Chegando de Mansinho. O Prêmio Tim de Música homenageou o sanfoneiro em 2008 E em 2010 o compositor venceu o Prêmio Shell de Música.

Confira em três partes uma das últimas entrevistas de Dominguinhos na TV Jornal

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM