Jornal do Commercio
Crítica

Deixem Elza Soares cantar até o fim

No novo show A Mulher do Fim do Mundo, Elza canta como uma agulha roçando nas feridas sociais do País

Publicado em 07/12/2015, às 16h07

Elza Soares soares apresentou o espetáculo 'A Mulher do Fim do Mundo' nos dias 4 e 5 de dezembro no Sesc Pompeia / Divulgação
Elza Soares soares apresentou o espetáculo 'A Mulher do Fim do Mundo' nos dias 4 e 5 de dezembro no Sesc Pompeia
Divulgação
Mateus Araújo

SÃO PAULO (SP) - Elza Soares é os cinco jovens negros assassinados pela Polícia Militar no Rio de Janeiro e os alunos espancados pela Polícia Militar em São Paulo. É também as mulheres negras minimizadas, desprezadas e maltratadas; as travestis assassinadas; a tapa na cara que o marido dá na esposa. Elza é os que amam no vazio, os que gritam por socorro, a voz do Brasil que muitos não querem ouvir. Mas ela é também a revolução que já está por vir – e que vai gritar queira a gente ou não. Elza Soares é A Mulher do Fim do Mundo e ai de quem não crer. 

Sentada num trono, no palco do teatro do Sesc Pompeia, em São Paulo, na última sexta e sábado, a cantora carioca apresentou o show de seu novo disco – que possivelmente será apresentado por ela no RecBeat em fevereiro, durante o Carnaval (o show estreou na capital paulista em outubro, no lançamento do CD. Nos dias 1 e 2 de dezembro ela levou a turnê para o Rio de Janeiro e no fim de semana voltou a São Paulo). O trabalho é um soco no estômago dos que querem estar aquém aos tantos fins de mundo que acontecem nas ruas, nas casas, nas nossas vidas. Mulher de voz irradiante, potente e verborrágica, naquele merecido altar, Elza era ali uma divindade, a Iansã que fala do morro e reverbera dentro de nós, no mangue em que estamos imersos.

Aos 78 anos, no palco, Elza Soares nos olhava do alto, como que com a voz sublinhada, em caixa alta, para dizer o quão viva está e o quão atual é seu canto. Da abertura ao fim do repertório, sua voz é agulha roçando nas feridas sociais desse nosso País. Entre ruídos, sons eletrônicos, guitarras gritantes, percussão pulsante e violinos que choram, Elza deixa de lado o samba para esturrar seu rock com arranjos tão modernos e ousados quanto sua voz. Amarra canções - todas inéditas - do seu mais recente álbum como quem briga com o mundo. Abre o show com Coração do Mar e depois vai desfiando-se com A Mulher do Fim do Mundo, e fecha com Comigo, nesta música afirmando a ancestralidade materna e feminina que lhe dá força (Levo minha mãe comigo/ embora já se tenha ido. /Levo minha mãe comigo/ talvez por sermos tão parecidos).

O caminho percorrido nesse show fala dos silêncios, dos amores, das dores. Das cidades abandonadas, das gentes descrentes. Se começa falando de si, lá pelas tantas ela fala do outro: em Maria da Vila Matilde (Porque se a da Penha é brava, imagine a de Vila Matilde), alerta as mulheres sobre se impor contra a violência; chama ao palco o cantor e ator Celso Sim, em participação especial, para cantar Benedita, sobre uma travesti em luta pela sobrevivência. Não deixa de lado seu grande hino A Carne - agora numa roupagem menos dançante, explorando bem e sempre o mantra "carne negra". E no meio desse caos, chora o coração vazio, cantando Malandro. É nosso deleite, nossa entrega, diante desse show tão ritualístico.

O espetáculo tem uma teatralidade particular. Do cenário criado com sacos de lixo pretos amarrados numa estrutura superior do palco e despedaçados no chão do palco, A Mulher do Fim do Mundo nos diz que é alguém vinda do lixo, mas tão logo solte sua voz ela canta mais alto, rompe com qualquer barreira que queriam lhe impor. Há uma força feminina que norteia essas canções. A voz de Elza sustenta a mulher forte que veio com tanta marra nesse ano para a música brasileira, como a Selvática de Karina Buhr. Mas no caso da carioca, essa guerreira ganhou aqui a figura madura e divina da Iansã (orixá da força, das tempestades e dos ventos) de cabelos vermelhos black power e saia comprida, calda imensa preta e brilhosa.

Na volta para o bis, a cantora ratifica esse impulso de transformação e superação, ao cantar Volta Por Cima. Ali é o arremate de tudo que vimos em pouco mais de uma hora de encanto. Naquele momento, estamos de frente com o que grita lá fora do teatro. É sintomático não associar o grito de Elza Soares aos tantos berros das ruas, das ocupações das escolas paulistas, nas favelas cariocas, dos mangues do Recife, nas casas e nas Câmaras. A Mulher do Fim do Mundo é de nos chacoalhar a todo momento, nos regojiza pelo verbo e pelo canto.

Parafraseando a própria cantora na canção-título do disco: Deixem Elza Soares cantar até o fim. E, por favor, ouçam Elza Soares cantar até o fim.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM