Jornal do Commercio
carnaval 2017

Gravatá Jazz Festival começa com tranquilidade e boa música

Do rock dos anos 50 ao jazz, e homenagens a Tom Jobim e Chico Science

Publicado em 26/02/2017, às 00h59

Leo Gandelman, do jazz ao maracatu / Foto: Allan Torres/Prefeitura de Gravatá
Leo Gandelman, do jazz ao maracatu
Foto: Allan Torres/Prefeitura de Gravatá
JOSÉ TELES

Enquanto o saxofonista Leo Gandelman encerrava a primeira noite do Gravatá Jazz Festival, com Maracatu Atômico, de Jorge Mautner (na versão de Chico Science), começa na avenida ao lado do palco o desfile do centenário Zé Pereira da cidade, com um trio elétrico atacando de Leão do Norte, a já clássica canção de Lenine e Paulo César Pinheiro.

Bem diferente do ano passado, na primeira edição do evento em Gravatá, quando o Zé Pereira saiu atrapalhando o show de abertura do festival.  Neste sábado foi tudo impecável, do policiamento ao comportamento do público, em grande parte de gente que vem à Gravatá para fugir do Carnaval, e claro, os três shows de uma noite em que o prefeito da cidade, Joaquim Neto (PSDB), aniversariava e abriu o festival afirmando que durante sua gestão (está no primeiro mandato) o evento está garantido.

Dasta Gomes & The Smokin Snakes, banda de rock-a-billy de Natal, cujas credenciais inclui participação no maior festival do gênero nos EUA, o Viva Las Vegas Rock-a-Billy Weekender abriu o festival. O grupo foi de músicas autorais, a standards de Elvis Presley, Carl Perkins e Bill Halley and the Comets, com participação especial de Joanatan Richard, o hillbilly de Caruaru, que lançou recentemente um EP em vinil de rock-a-billy

ESTRELAS

 

Em tempos de celebridades, os artistas mais assediados foram o saxofonista Derico, que tocava na banda do Programa do Jô, na TV, e a ex-ídolo infantil, do Trem da Alegria, Patrícia Marx, convidados da Uptown Band, do baterista, e curador do Gravatá Jazz Festival, Giovanni Papaleo. Derico Ciotti é um grande saxofonista, cujo talento vai muito além da fama de “assessor para assuntos aleatórios” de Jô Soares.

O mesmo para Patrícia Marx, que foi de Mister Cellie’s Blues (tema do filme A Cor Púrpura) a Tom Jobim (homenagem ao 90 anos do compositor), até Summertime, dos irmãos Gershwin,

Léo Gandelman, com uma banda azeitada, mostrou seu lado mais jazz, de muito improviso, e muito bom humor, terminando o show tentando levantar a plateia, que não arredou pé até o final, com uma levada de maracatu no Maracatu Atômico, enxertando na quadrinha "viva eu, tu, viva o rabo do tatu, o frevo e o maracatu". 

Recomendados para você


Comentários

Por Joanatan Richard,27/03/2017

Muito bacana!!! Abraços!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM