Jornal do Commercio
REVELAÇÕES

'Nos acomodamos em um lugar ruim, perverso', afirma Maria Bethânia

Cantora fala, em entrevista exclusiva, sobre os rumos do Brasil e o seu encanto pelo Recife

Publicado em 16/03/2017, às 22h00

Maria Bethânia diz que sem o pavor é prepotência subir ao palco / André Nery/JC Imagem
Maria Bethânia diz que sem o pavor é prepotência subir ao palco
André Nery/JC Imagem
Adriana Victor

“O Brasil está um desastre, uma coisa muito estranha. E isso está escrito, está na cara da gente, na voz, na pele, no andar, na vida de cada um de nós. Mas chega aquele momento e eu sinto no Recife um baile perfumado geral. Que é necessário. E que compartilha, não fica fechado.” É deste fio condutor que Maria Bethânia se vale para tecer elos entre o Brasil atual e o Carnaval recifense. As afirmações fazem parte da conversa exclusiva com a cantora, gravada no Rio de Janeiro, no Estúdio Vison, em São Conrado. 

Para conceder a entrevista, Bethânia não fez imposições, não questionou sobre de que trataríamos. Mostrou-se disposta a conversar e, quando se achava que já era a hora de parar com as perguntas, ela afirmou: "Pode continuar, não estou cansada".

Entre uma fala e outra, a atriz Cláudia Abreu, estrela da Rede Globo que atualmente interpreta Helô, na novela A Lei do Amor, passou por nós. Levou a mão à boca, como quem vê alguém que muito se admira. E balbuciou, quase sem emitir sons para não atrapalhar a conversa: "Amo! Amo!".

O RECIFE

“O Recife tem um modo de me abraçar, de compreender a minha expressão com particularidade”, declarou sobre a cidade. Mas afirmou que gostaria muito de ter vindo celebrar o músico Naná Vasconcelos, que morreu em 2016 e era seu grande amigo, na abertura do Carnaval deste ano - "O Carnaval mais bonito do Brasil". 

Aos risos, contou sobre uma briga que teve com Capiba, o autor da música que lhe deu o nome, uma escolha do irmão Caetano Veloso. Falou da paixão e do pavor que lhe invadem sempre que sobe ao palco: "Um pavor que não passa depois que eu subo no palco. Ele fica ali, alimentando a cena, enlouquecendo a gente. Sem ele acho que é prepotência subir ao palco”.

O BRASIL

Sobre as trilhas do Brasil atual, declarou: “Acho que a gente não tem andado, nos acomodamos lugar ruim, perverso. O Brasil não merece isso. Nem nós brasileiros merecemos. Somos ricos, poetas, capazes. Somos generosos. Nos nós damos para o País”. E conclui: "Um bando de moleques. Xô!"

Recomendados para você


Comentários

Por RENE TIMM,17/03/2017

É MARIA BETANIA, QUEM TE VIU, QUEM TE VE. NOS 12 ANOS QUE SE PASSARAM VC NAO RECLAMAVA POLITICAMENTE DE NADA, LEI ROANET ETC E TAL, AGORA QUE ESTAMOS NO POÇO QUE CAVARAM E NOS JOGARAM COM 13 MILHOES DE DESEMPREGADOS E OUTROS TANTOS PASSANDO FOME, VC VEM E CHAMA A GOVERNAÇA ATUAL DE MOLEQUES? ENTAO O QUE O LULOPETISMO AT DILMA FIZERAM ENTAO ATE O ANO PASSADO SE ESTAMOS PAGANDO ALTO PREÇO PELOS ROUBOS E DESGOVERNO POR ELES INSTALADO?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM