Jornal do Commercio
show

Roberto Carlos distribui emoções e rosas para os fãs

Na semana que antecede o Dia das Mães, show de Roberto Carlos foi um grande presente

Publicado em 07/05/2017, às 10h51

Roberto Carlos distribui rosas para delírio das fãs / João Vitor Alves/Divulgação
Roberto Carlos distribui rosas para delírio das fãs
João Vitor Alves/Divulgação
Gabriele Lima

A segunda noite de show do cantor Roberto Carlos no Classic Hall foi marcada por nostalgia, bom humor e muitas emoções. Na semana que antecede o Dia das Mães, o Rei reuniu várias gerações que, em família, lotaram a casa de espetáculo no último sábado (6). Com tapete azul no palco e a mesma cor nas pastas que seguram as partituras, o artista não abriu mão da cor preferida no figurino. O blazer branco deixou o visual mais harmonioso.

Como já é de costume, o cantor começou a noite entoando 'Quando eu estou aqui...' e arrastando um coral uníssono que cantou junto com ele. Aliás, em todas as músicas ninguém deixou Roberto Carlos cantar sozinho. Sem grandes surpresas no repertório, apenas Chegaste - gravada em dueto com a cantora norte-americana Jennifer Lopez - e Sereia, tema da personagem de Isis Valverde na novela A Força do Querer, da Rede Globo, renovaram a seleção de músicas cantadas por Roberto e já estão na boca do povo. Outra novidade foi o antigo sucesso Se Você Pensa, que neste show ganhou um arranjo meio latino.

A emoção rolou solta nas músicas Lady Laura e Nossa Senhora. Durante a apresentação, Roberto Carlos, no auge dos seus 76 anos, mostrou que ainda mexe com o imaginário das suas fãs de todas as idades. Sempre com brincadeiras, ele falava sobre amor, conquista e mulheres, levando o público feminino ao delírio e aos gritos com elogios ao ídolo.



O momento final foi marcado pelas músicas Como é Grande o meu Amor por Você e Jesus Cristo, que Roberto faz questão de cantar para encerrar o show como forma de agradecimento. É quando o artista aparece com várias rosas para entregar ao público. A partir daí, ninguém mais fica sentado e faz de tudo para conseguir pegar uma flor, como um troféu que simboliza uma lembrança de um show nostálgico e repleto de sensações.

As rosas e elas

Distribuir flores no final do show já é tradição para Roberto Carlos. Entre as muitas pessoas que conseguiram pegar uma rosa, Bianca Cruz (66 anos) disse que vai guardar dentro do álbum de família. "Já fui a vários shows, mas esta foi a primeira vez que eu consegui pegar uma flor. Fiquei muito feliz!", comemorou. Já Flávia Delgado (58 anos) pegou a rosa pela segunda vez. "A primeira vez que consegui segurar uma flor que ele jogou, foi há dez anos. Eu mandei empalhar para guardar. Desta vez vou fazer a mesma coisa", contou.

Para Fátima Dourado, ganhar uma flor do Rei foi uma verdadeira conquista. "Eu tive dois AVC e ganhei esse presente da minha filha", disse. Ela, que ainda conseguiu entregar um terço a Roberto Carlos, revelou o que vai fazer com a rosa: "Vou guardar no meu santuário". Lindalva Soares (43 anos), costuma ir aos shows do cantor todos os anos, mas só agora pegou a tão sonhada rosa. Eliane Malta (52 anos), contou com a sorte de ganhar a flor em seu primeiro show. "Vou enrolar em um papel filme e deixar na geladeira por uns dias, depois vou mandar banhar em bronze para eternizar este presente", contou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM