Jornal do Commercio
Crítica

Corra!: filme aborda terror produzido por uma sociedade racista

Sucesso nos Estados Unidos, longa de Jordan Peele estreia no Brasil

Publicado em 18/05/2017, às 12h31

Chris Washington (Daniel Kaluuya) se vê em meio à comunidade racista / Reprodução
Chris Washington (Daniel Kaluuya) se vê em meio à comunidade racista
Reprodução
JC Online

O racismo nos Estados Unidos, assim como no Brasil, é um problema endêmico e resultado de anos de sistema escravocrata e, posteriormente, de exclusão. No caso dos EUA, a instauração da segregação racial, legitimada por lei até a década de 1960, aprofundou ainda mais essas questões. A perpetuação da exclusão dos negros em várias esferas sociais permanece e é atualmente foco de grande debate naquele país. Suas consequências, físicas e psicológicas, estão sendo refletidas nas artes, especialmente na música e no cinema. Corra!, que estreia hoje nos cinemas do Brasil, é fruto dessa leva de obras criadas a partir da experiência do que é ser negro em uma sociedade racista.

Primeiro filme do comediante Jordan Peele, Corra! tornou-se uma das grandes surpresas da indústria cinematográfica este ano. Tendo custado 4,5 milhões de dólares, arrecadou, até o momento, mais de 215 milhões. O sucesso de crítica e bilheteria é resultado tanto da qualidade da obra, quanto do contexto social.

Diante da brutalidade policial e do encarceramento em massa da comunidade afrodescendente nos EUA, o fortalecimento de movimentos como o Black Lives Matter (As vidas dos negros importam) luta contra o trauma coletivo dos negros instaurado nos EUA desde sua fundação. Para os não caucasianos, é preciso estar atento e forte ante um sistema que se recusa a incluí-los e garantir sua segurança.

Corra! trabalha essas questões de forma contundente e original. No longa, o fotógrafo Chris Washington (Daniel Kaluuya) se prepara para conhecer a família da namorada Rose (Allison Williams). Receoso, antes da viagem ele pergunta à amada se os pais dela sabem que ele é negro. “Deveriam?”, rebate a moça, afirmando que seus pais não são preconceituosos, e inclusive votariam em Obama para um terceiro mandato.



TERROR

Desde a estrada para o destino final o casal interracial é exposto a situações que revelam a brutalidade vivida pelos negros na sociedade. Na casa dos pais de Rose, interpretados por Catherine Keener e Bradley Whitford, ela uma psicanalista com especialização em hipnose e ele um neurocirurgião, todos os empregados são negros e apresentam um comportamento que chama a atenção de Chris pelo excesso de subserviência. Na região onde a família vive, todos são brancos e a presença do fotógrafo ali não parece ser aleatória. Ao mesmo tempo em que convivem com ele, os anfitriões parecem o tempo todo reforçar que Chris não pertence àquele lugar. A tensão que permeia essas relações atravessam todo o filme.

Rod (LilRel Howery), amigo de Chris, alerta ao protagonista sobre os perigos de um homem negro em meio a “tanta gente branca”. Os comentários servem para dar um certo alívio cômico ao clima pesado do filme, mas no fundo são igualmente cortantes pois expõem a situação de terror literal vivida pelos afrodescendentes diante de uma sociedade que parece querer aniquilá-los.

Essas sutilezas são colocadas com maestria por Peele no longa e talvez um dos maiores desconfortos do filmes seja justamente reconhecer os personagens que estão na tela e associá-los a pessoas do nosso cotidiano. Além de um excelente filme de terror, com atuações e direção seguras, Corra! será lembrado como um forte retrato das tensões raciais que permeiam os Estados Unidos


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM