Jornal do Commercio
Manifestação

Ídolos da MPB cantam contra Temer em Copacabana

Milhares de pessoas participaram da manifestação que, além da saída de Temer, pediu a convocação de eleições diretas

Publicado em 28/05/2017, às 20h30

Show de ato contra Michel Temer foi encabeçado por Milton Nascimento e Caetano Veloso / Divulgação/Diretas Já
Show de ato contra Michel Temer foi encabeçado por Milton Nascimento e Caetano Veloso
Divulgação/Diretas Já
AFP

Encabeçado por Caetano Veloso e Milton Nascimento, um grande show reuniu neste domingo, na praia de Copacabana, milhares de pessoas que pediam a renúncia do presidente Michel Temer, encurralado por denúncias de corrupção e pela erosão de sua base aliada.

Os manifestantes também pediam a convocação de eleições diretas e a retirada dos projetos de austeridade no Congresso.

"Se empurramos, Temer cai", repetiam, em coro, os manifestantes.

Mas o presidente, de 76 anos, voltou a negar categoricamente que vá deixar o poder, em coluna publicada neste domingo no jornal Folha de S. Paulo.

"O Brasil não parou e nem vai parar, apesar da crise política que, reconheço, estamos padecendo", escreveu Temer, que espera ser lembrado como o homem que conseguiu com suas reformas pró-mercado tirar o gigante latino-americano da pior recessão de sua história.

Pouco mais de um ano depois de suceder a presidente Dilma Rousseff - destituída por maquiagem de contas públicas -, o cargo de Temer está por um fio por causa da gravação feita por um dos donos da gigante da proteína animal Joesley Batista, em que o presidente parece dar seu aval para comprar o silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), preso em Curitiba.

"Podres poderes"

Os rappers Mano Brown e Criolo e a sambista Mart'nália estavam entre os artistas mobilizados pelas palavras de ordem "Fora Temer" e "Diretas já".

O show, celebrado em uma Copacabana com o mar encoberto pelo nevoeiro, atingiu o ápice quando Caetano Veloso chegou entoando os versos de "Podres Poderes".

"Será que nunca faremos senão confirmar/ a incompetência da América católica/ que sempre precisará de ridículos tiranos?", cantou Caetano, acompanhado pela multidão.

Milton fez o público delirar com "Nos bailes da vida".

Segundo a Constituição, se Temer for destituído ou renunciar, a Câmara dos Deputados deverá escolher seu sucessor em 30 dias para completar o mandato de Dilma até o fim de 2018. Muitos brasileiros se opõem a estas eleições indiretas, desconfiados de um Congresso com dezenas de legisladores investigados por corrupção.

Por isso, exigem "Diretas já", repetindo o apelo da campanha de 1984 pelo movimento democrático que reivindicava o fim da ditadura militar e a volta das eleições diretas para presidente.



"Temer e todos os golpistas tiraram uma presidenta eleita legitimamente sem motivo que o justificasse. Trinta anos depois é o mesmo processo. Queremos a retomada da democracia e eleições diretas já", disse à AFP Sirlei Oliveira, socióloga de 52 anos, que veio de São Paulo para assistir ao show.

Para Diego Kapaz, arquiteto de 33 anos, a simples substituição de Temer seria "um golpe dentro do golpe". Para ele, os grupos que apoiam Temer só estão interessados em apressar a votação das reformas que aumentam a idade da aposentadoria e flexibilizam as leis de trabalho.

"Temer fará aprovar as reformas e depois deixará alguém para administrar as coisas. Por isso uma eleição indireta não muda nada", afirmou.

Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e da Defesa de Dilma, estava entre os manifestantes, que se aproximaram dele para abraçá-lo e tirar fotos.

"Temer deixou de ser funcional" para quem o levou ao poder, disse Amorim à AFP.

Para o ex-chanceler, os brasileiros devem agora "eleger um presidente legítimo, capaz de conduzir reformas. Não essas que estão aí, que não merecem nem o nome de reformas, mas reformas para recuperar a soberania, fazer que o povo tenha acesso não só aos bens mas que tenha participação nas escolhas políticas".

A esquerda, na defensiva nos últimos anos por causa do colapso econômico e das acusações de corrupção contra muitos de seus líderes, inclusive Lula, parece ver nesta crise uma oportunidade para levantar a cabeça.

Na quarta-feira passada, mobilizou dezenas de milhares de pessoas em Brasília. Durante o protesto, grupos de jovens encapuzados atacaram vários ministérios. Os confrontos com a Polícia deixaram 49 feridos, um deles a bala.

Esperando o desenlace?

Acusado pela Procuradoria-geral da República de obstrução da Justiça, organização criminosa e corrupção passiva e com vários pedidos de impeachment, Temer tenta evitar uma deserção em massa de seu governo.

Seu destino pode ser decidido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que julgará a partir de 6 de junho as irregularidades no financiamento de sua campanha de 2014 na chapa que compôs com Dilma Rousseff, na qual ele foi candidato à vice-presidência.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM