Jornal do Commercio
Latina

El Dorado: Shakira retoma às raízes sul-americanas em novo disco

Cantora, uma das grandes pop stars mundiais, mostra que continua afiada

Publicado em 30/05/2017, às 14h15

Shakira reencontra a si mesma em novo álbum / Reprodução
Shakira reencontra a si mesma em novo álbum
Reprodução
Márcio Bastos

Na mitologia dos povos nativos da Colômbia, um chefe tribal, como parte de um ritual religioso, cobriu seu corpo de ouro e atirou-se no lago Guatavita. Com o passar do tempo, a lenda ganhou novas versões, referindo-se a uma cidade ou império banhados com o metal precioso. O local – ou melhor, a ideia – ganhou dos espanhóis o nome de El Dorado e levou milhares de europeus às florestas do Novo Mundo em busca da riqueza lendária. Em um sentido metafórico, esta jornada à procura do tesouro foi o tema escolhido por Shakira para guiar seu novo álbum, que leva o nome da cidade dourada.

Grande estrela da música sul-americana no mundo, Shakira conseguiu com louvor conquistar o prêmio que, atualmente, Anitta tenta buscar: quebrar as barreiras locais e se tornar uma atração a nível global. Desde Laundry Service (2001), seu primeiro disco majoritariamente cantado em inglês, ficou claro que a artista estava disposta a competir com nomes como Madonna, Britney Spears e Christina Aguilera. Com voz e estilo singulares, conseguiu. Sua habilidade para criar sucessos também foi responsável por alguns dos grandes hits do pop das últimas duas décadas, como Whenever, Wherever, Hips Don’t Lie e Waka Waka.

Para alcançar seus objetivos, no entanto, Shakira tomou veredas que muitas vezes levaram a resultados que brilhavam, mas cujo valor era efêmero. Ao abrir mão das letras poéticas que marcaram seus primeiros discos, ela conquistou as pistas de dança, mas foi acusada de deixar de lado seu DNA artístico em prol de uma identidade genérica, voltada para o consumo fácil.

Em El Dorado, seu 11º álbum, Shakira parece focada em redirecionar sua bússola. Se em Sale El Sol (2010) e Shakira (2014) a cantora já apontava um retorno aos sons latinos, após abraçar o pop e a música eletrônica em She Wolf (2009), no novo trabalho a transição é completa. A decisão, além de parecer natural diante da trajetória dela, encontra terreno fértil diante do fenômeno atual da música latina nas rádios mundiais, como mostra o sucesso de Despacito e das próprias músicas da artista.

Em entrevista ao New York Times, Shakira afirmou que após o lançamento do álbum que leva seu nome, entrou em crise em relação ao conteúdo de suas músicas recentes. “Estava cheia de dúvidas e pensei que nunca mais ia escrever boas canções”, disse. Casada com o jogador do Barcelona Gerard Piqué, com quem tem dois filhos, ela chegou a cogitar não lançar mais álbuns, focando-se apenas nos singles. De fato, El Dorado é um trabalho que, apesar da unidade sonora, parece seguir uma lógica voltada para a era dos streamings.

Segundo a cantora, o título do disco veio da percepção de que a inspiração que tanto buscava (como a cidade mítica) estava ao seu alcance, mas que primeiro seria necessário abandonar pretensões e se aproximar de sua essência. Shakira disse ainda na entrevista à publicação americana que sua carreira sempre foi seu principal foco, mas que seus objetivos mudaram desde o nascimento de seus filhos. O conflito entre a vida doméstica e sua posição como estrela pop também pesou nessa sua encruzilhada artística e foi outro pilar do novo trabalho.

VOLTA ÀS ORIGENS

Como lançar um álbum não era mais uma preocupação, Shakira passou a dedicar-se a sessões mais despretensiosas no estúdio. Demorou cerca de dois anos para terminar o álbum e nesse ínterim foi dando corpo ao projeto de uma maneira fluida. Um marco inicial desse processo é La Bicicleta, parceria com o conterrâneo Carlos Vives. Foi a primeira vez em que a estrela gravou com outro colombiano e pareceu um passo ousado.



Isso porque a canção, que mescla vallenato, ritmo típico da Colômbia, reggaeton e pop tinha tudo para se tornar um sucesso local, mas, surpreendentemente, conquistou as rádios ao redor do globo. Nostálgica, a faixa versa sobre a infância e adolescência dos intérpretes, ressaltando as belezas naturais e tradições da terra natal. Com quase 1 bilhão de visualizações no Youtube e vencedora de dois Grammys latinos, de canção e gravação do ano, foi um dos grandes sucessos de 2016.

Empolgada com a recepção, Shakira lançou Chantaje, com o também conterrâneo Maluma. A faixa, um reggaeton sexy, mostrou o direcionamento e também a prioridade dela nessa nova fase: focar no público latino. Em El Dorado, ela é bem-sucedida em criar canções de apelo universal, mas durante todo o disco fica clara sua preocupação em dialogar com seu público base.

A faixa de abertura do disco, Me Enamoré, uma ode à sua relação com Gerard Piqué, é uma das mais dançantes do disco, mas não chega a ser particularmente marcante. Já a canção seguinte, Nada, muda de forma abrupta o clima, entregando uma das melhores baladas recentes de Shakira, lembrando os melhores momentos de Fijácion Oral (2005), um de seus álbuns mais refinados. Nesta mesma linha está Coconut Tree, uma das poucas cantadas em inglês, junto a When a Woman e What We Said, parceria com o grupo Magic!.

Essas, no entanto, não adicionam muito ao álbum. Isso porque Shakira parece em seu melhor quando não tenta traduzir seus sentimentos para outra língua. Trap, outra parceria com Maluma, é um dos destaques do álbum, e mais uma vez trata-se de um dueto sensual, mas desta vez fundamentado em cima da trap music e é uma boa adição ao catálogo da colombiana.

El Dorado é um passo positivo de Shakira em uma direção mais orgânica. Suas experimentações no pop continuam entre as mais interessantes frente às suas conterrâneas e o mergulho nos ritmos latinos podem contribuir para uma diversidade homogêneo universo do mainstream.

É possível ler o disco, também, como uma provocação. Assim como os europeus saquearam a América e dizimaram seu povo em busca da riquezas naturais (e imaginárias), hoje esse processo de apropriação acontece também no campo da cultura. Ao abraçar suas raízes, ela abre as portas para que sua voz seja reconhecida mais uma vez como um produto sul-americano. Em tempos de ameaças de muros separatistas, assumir seu DNA e celebrar suas particularidades pode até ser uma atitude comercial, mas não deixa de carregar um poder político.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Henri,30/05/2017

Wowwww... ótima análise.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM