Jornal do Commercio
Luto

Morre Gira, ex-percussionista da Nação Zumbi

Brigado com os companheiros de banda, ele teve uma parada cardíaca

Publicado em 14/06/2017, às 15h48

Gira participou dos discos mais clássicos do começo da banda, como  Afrociberdelia / Reprodução
Gira participou dos discos mais clássicos do começo da banda, como Afrociberdelia
Reprodução
JC Online

Morreu nesta quarta-feira (14) o ex-percussionista Gira, da Banda Nação Zumbi. Segundo informações iniciais, ele estava internado no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP), em Itamaracá, depois de um surto psciótico. Teve uma parada cardíaca e, em seguida, complicações no pulmão.

José Givanildo Viana dos Santos, mais conhecido por todos como Gira, foi responsável desde o início do grupo por um dos três tambores da Nação (com Gilmar Bolla 8). Gira participou do álbum de estreia da NZ, o antológico Da lama ao caos, formando o trio de batuqueiros com Bolla 8 e Jorge du Peixe.



Gira saiu da banda em 2000, três anos após a morte de Chico – fato que ele avaliava como o maior divisor de águas do grupo.

HUMILDE

Com a Nação, ele gravou, além de Da lama ao caos (1994), Afrociberdelia (1996) e CSZN (1998). Mas apesar da longa parceria e dos anos de estrada com a banda, a saída não foi muito suave. Tampouco ele mantinha relações com os integrantes. “Gilmar é o único que ainda vem falar comigo”, contou ele, em sua última entrevista ao JC.

De origem humilde, Gira brigava com os outros membros da banda pelos direitos autorais das músicas.

Foi Bolla 8 quem, através de uma rede social, primeiro divulgou a notícia:

"Boa tarde, terráqueos! Acabo de saber que Gira um dos fundadores da Nação Zumbi acaba de falecer. Eternas saudades!”, postou. A Nação Zumbi também postou, em sua página oficial, “Descanse em paz Gira”.

“Gira, tambor mor, marcou uma época com suas performances esmagadoras. Descanse em paz”, postou o guitarrista Lúcio Maia.

Em breve, teremos mais informações sobre a morte do músico.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Claudio Bastos,14/06/2017

ele também gravou o Radio Samba, onde todos os músicos assinaram seus nomes com outra alcunha.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM