Jornal do Commercio
Latino

Despacito rende mais de US$ 1 milhão e gravadoras investem nos latinos

'O mercado está ditando sons latinos', afirmou executivo à Billboard

Publicado em 15/06/2017, às 17h03

Daddy Yankee e Luis Fonsi lucraram bastante com Despacito / Reprodução
Daddy Yankee e Luis Fonsi lucraram bastante com Despacito
Reprodução
JC Online

A música latina está bombando em todo o mundo e a grande responsável é Despacito. O hit do cantor Luis Fonsí com o rapper Daddy Yankee já havia conquistado os países latinos e "estourou" nos EUA após remix com Justin Bieber. Até agora, a canção já rendeu US$ 2,9 milhões para o Universal Music Group e 1,25 milhão para os cantores e compositores.

Tamanho sucesso fez com que as gravadoras iniciassem uma busca frenética por artistas latinos, segundo o site da revista Billboard.

“Estamos ativamente buscando novos sons e músicas que possam rodar o mundo, que respeitem e aprimorem a cultura latina”, diz o presidente da Republic Records, Charlie Walk, responsável por promover a música nos EUA. “O mercado está claramente ditando que os sons e as letras latinas são importantes. O streaming não mente, e mostra que o mundo ama esse tipo de música”, completou.



Além da canção de Luis Fonsi, outros artistas têm chamado a atenção por seu sucesso a nível global, como Maluma e J Balvin. O reggaeton e outros ritmos latinos, portanto, devem continuar a bombar pelos próximos meses e talvez até anos. De olho no mercado, Anitta lançou recentemente Paradinha, toda em espanhol, afirmando que é resultado de anos observando o crescimento da música latina. 

VERSÕES

A versão original de Despacito já conta com mais de 1,2 bilhão de visualizações no Youtube, enquanto o áudio do remix com Justin Bieber já passa dos 300 milhões.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM