Jornal do Commercio
Latino

Despacito rende mais de US$ 1 milhão e gravadoras investem nos latinos

'O mercado está ditando sons latinos', afirmou executivo à Billboard

Publicado em 15/06/2017, às 17h03

Daddy Yankee e Luis Fonsi lucraram bastante com Despacito / Reprodução
Daddy Yankee e Luis Fonsi lucraram bastante com Despacito
Reprodução
JC Online

A música latina está bombando em todo o mundo e a grande responsável é Despacito. O hit do cantor Luis Fonsí com o rapper Daddy Yankee já havia conquistado os países latinos e "estourou" nos EUA após remix com Justin Bieber. Até agora, a canção já rendeu US$ 2,9 milhões para o Universal Music Group e 1,25 milhão para os cantores e compositores.

Tamanho sucesso fez com que as gravadoras iniciassem uma busca frenética por artistas latinos, segundo o site da revista Billboard.

“Estamos ativamente buscando novos sons e músicas que possam rodar o mundo, que respeitem e aprimorem a cultura latina”, diz o presidente da Republic Records, Charlie Walk, responsável por promover a música nos EUA. “O mercado está claramente ditando que os sons e as letras latinas são importantes. O streaming não mente, e mostra que o mundo ama esse tipo de música”, completou.



Além da canção de Luis Fonsi, outros artistas têm chamado a atenção por seu sucesso a nível global, como Maluma e J Balvin. O reggaeton e outros ritmos latinos, portanto, devem continuar a bombar pelos próximos meses e talvez até anos. De olho no mercado, Anitta lançou recentemente Paradinha, toda em espanhol, afirmando que é resultado de anos observando o crescimento da música latina. 

VERSÕES

A versão original de Despacito já conta com mais de 1,2 bilhão de visualizações no Youtube, enquanto o áudio do remix com Justin Bieber já passa dos 300 milhões.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM