Jornal do Commercio
Lançamento

Victor Camarote lança primeiro disco

Com várias participações espéciais, álbum tem clipe dirigido e estrelado pela atriz Maria Flor

Publicado em 14/07/2017, às 15h42

Vitor Camarote: primeiro álbum na praça / Beto Figueiroa / Divulgação
Vitor Camarote: primeiro álbum na praça
Beto Figueiroa / Divulgação
JC Online

O amor e seu universo: paixões, desapegos, idas e vindas, emoldurado em cenários pernambucanos: essa é a atmosfera do álbum de estreia do cantor pernambucano Victor Camarote, "Quem disse". Segundo ele, são 14 canções que, segundo o próprio, transportam o ouvinte dos bailes de música caribenha na periferia do Alto do Céu de Havana aos fins de noite em zonas boêmias do Recife e a Reginaldo Rossi. De paixões intensas às desilusões dos bregas tocados em gafieiras.

Quem disse é composto por faixas autorais e uma infinitude de parcerias que Camarote agrega ao trabalho. Bruno Lins (Fim de Feira), Tiné (Academia da Berlinda e Orquestra Contemporânea de Olinda), Urêa (Eddie e Academia da Berlinda), Júlio Morais e Zé Gleisson são alguns deles.



CLIPE

Entre as participações especiais, estão a paraense Lia Sophia, o maestro Spok, Nilsinho Amarante (Trombonada) e Pedro Mibielli. A produção do disco é assinada por Berna Vieira, com exceção da faixa que dá nome ao álbum, assinada por Pupillo (Nação Zumbi), que também gravou a bateria, com linhas de baixo de Dengue (Nação), Chiquinho (Mombojó) no teclado e guitarra de Régis Damascenos, músico cearense da banda Cidadão Instigado.

A banda que acompanha Victor e toca nas outras faixas é formada por Sérgio Lima (teclado), Vitor Magall (guitarra), Charles Silva (bateria), André Mucuim (baixo) e Irandê (percussão).

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM