Jornal do Commercio
Patrocínio

Como a música tem virado perfume para a Natura

Responsável pelo marketing, a executiva Fernanda Paiva anuncia novidades no edital da empresa de cosméticos que vem ocupando espaço importante no patrocínio musical do Brasil

Publicado em 16/07/2017, às 07h00

Fernanda Paiva: música como atividade secundária, e fundamental, na atuação da Natura / Divulgação
Fernanda Paiva: música como atividade secundária, e fundamental, na atuação da Natura
Divulgação
Bruno Albertim

No último final de semana, o pernambucano Almério praticamente lotou, por duas noites, a plateia do Sesc Santana, na capital paulistana. “Foi, talvez, o melhor show da minha vida. Muita gente ouvia pela primeira vez minha música, e a resposta foi incrivelmente calorosa”, diz o cantor. Encampado de forma independente pelo amigo e produtor profissional Tadeu Gondim, o show, contudo, só foi possível por um incentivo anterior. Desempena, o elogiado disco com o qual Almério vem se confirmando como um dos nomes festejados na nova música popular brasileira, foi viabilizado pelo edital de uma empresa brasileira de cosméticos. Para a Natura, música tem sido perfume. Almério é apenas um entre os mais de cinquenta músicos hoje sob o patrocínio da marca.

Com a desidratação acentuada da antiga indústria musical ancorada nas gravadoras multinacionais, e a desnutrição progressiva de programas governamentais oficiais, iniciativas privadas como a da empresa têm feito diferença. Desde que foi criado, há 15 anos, o programa Natura Musical já destinou cerca de R$ 123 milhões para projetos musicais – 59% com recursos próprios e 41% de verbas incentivadas por leis como federal Rouanet ou outras estaduais. No ano passado, foram R$ 14 milhões investidos. Aberto há uma semana e disponível para inscrições de projetos até o próximo dia 21 de julho, o edital deste ano deve manter o mesmo patamar de investimentos. O Natura Musical vai distribuir o total de R$ 5,6 milhões em parceria com as leis Rouanet e leis Estaduais de Incentivo à Cultura, nos estados do Pará, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Serão selecionados projetos nas categorias Lançamento de Novos Trabalhos – via edital, e Festivais (http://www.natura.com.br/naturamusical/edital).

Pernambuco é o Estado que mais artistas teve patrocinado desde o surgimento do Natura Musical, lembra a gerente de marketing institucional, Fernanda Paiva. Até hoje, 12 pernambucanos foram patrocinados. O time tem nomes como Otto, DJ Dolores, Zé Manoel, Siba e Nação Zumbi. “Percebemos uma nova geração pós mangue beat muito criativa. Nomes como, além de Almério e Hooker, Sophia Freire, Vítor Araújo, por exemplo. Nossas atenções estão sempre voltadas para o Estado”.

Se a Natura já teve um presidente interessado em ser vice-presidente do Brasil na chapa comandada pela hoje desgastada Marina Silva, música, hoje, parece ser o melhor mecanismo de política da empresa na sociedade em que atua. O programa na área vem se aprimorando – inclusive com a criação de uma casa musical que leva o nome da empresa. “A Natura foi visionária em ter um papel para além de sua atividade econômica, comprometida em gerar impacto positivo para a sociedade”, diz Fernanda Paiva, profissional com experiência na produção de cinema e teatro que, há mais dez anos, comanda o programa.



Visivelmente envolvida com o objeto de seu trabalho, Fernanda é capaz de comentar detalhes do disco de cada artista patrocinado. “Almério, por exemplo, é um grande talento”, diz ela, informando que, até o final do ano, deve sair também, o novo disco do também pernambucano Johnny Hooker.

Um das revelações da música brasileira nos útilmos dois anos, o cantor, aliás, não foi escolhido à toa. Além de investir em programas de documentação e digitalização de cenas ou da obra de ícones como Dorival Caymmi, Gilberto Gil e Chiquinha Gonzaga, a empresa que fez o lançamento, lá atrás, de seu programa musical patrocinando um disco e a turnê de mais de 90 shows da estrela Marisa Monte, não quer patrocinar “apenas” música ou viabilizar discos. Mas incentivar o discurso social a eles agregado. “Estamos atrás de novos artistas, de um público que está aberto a virar fã a partir de uma geração de conteúdo, o que o artista quer dizer com sua música em diálogo com o público para além da música como estética musical. As pessoas querem identificar ambientes de conversa sobre esses temas, e a música poderia criar também esses ambientes”, diz Fernanda. Johnny Hooker, hoje, no panorama da música brasileira, é um dos principais símbolos afirmativos da diversidade sexual e de gênero. Embora não possa quantificar em cifras, a empresa sabe que o ganho, em termos de marketing da marca, é alto.

FIM DO VOTO POPULAR

Se não neste, o próximo edital já não deve mais ter o mecanismo do voto popular. “Estamos revisando esse processo, a gente vai passar o processo inteiro por uma rede de curadores. Antes, tínhamos cinco ou seis que tinham que avaliar dois mil projetos. Agora, teremos entre 15 e 20 curadores externos que tenham uma abrangência nacional, olhares amplos e externos” diz Fernanda. A ideia é acabar com o truque do “quem tem mais primos ganha o edital”. Alguns artistas costumavam mobilizar verdadeiros cabos eleitorais para garantir votação maciça na internet e o consequente patrocínio.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM