Jornal do Commercio
Louro do Pajeú

Em Canto e Poesia: netos ligam tradição do Pajeú ao pop

Antônio, Greg e Miguel Marinho usam a verborragia do Pajeú para renovar música contemporânea

Publicado em 14/01/2018, às 06h42

Em Canto e Poesia: netos tocam na festa de aniversário do avô / Mariana Pinheiro
Em Canto e Poesia: netos tocam na festa de aniversário do avô
Mariana Pinheiro
Bruno Albertim

No final do ano passado, as filas davam voltas ao redor do Teatro de Santa Izabel. Muita gente voltou do teatro sem conseguir entrar. No palco, os irmãos Marinho lançavam Canção do Tempo, o primeiro DVD da Em Canto e Poesia. De uma plasticidade caleidoscópica, a banda agudiza a poética do Pajeú aos limites do pop. “Às vezes as pessoas perguntam ‘o que vocês tocam?’. Bem, nós tocamos o que toca a gente. Não importa a roupa, o que nos une e dá hegemonia é, acima de tudo, a poesia”, diz Antônio Marinho.

De letras nutridas pela generosa verborragia do Pajeú, a Em Canto e Poesia, nitidamente urbana em sua sonoridade polifônica, tem, naturalmente, a gênese no Pajeú. É prova e decorrência de como o contemporâneo não existiria sem uma tradição que a ancorasse. “O lugar de nascimento e crescimento é fundamental para qualquer artista. Nem que seja para negá-lo. No meu caso, o ambiente não é só cenário, é parte integrante do fazer e do ser. Louro faz parte na ausência de fronteira estética e na entrega do comando de tudo à emoção e à poesia”, sintetiza o herdeiro.

O neto de Louro do Pajeú conduz a banda ao lado dos irmãos, Greg e Miguel Marinho. Greg, um virtuoso violonista. Miguel, instrumentista que, no pandeiro, passeia por escalas nem sempre possíveis com o instrumento. “É o instrumento que eu escolhi para estudar”, simplifica o caçula.



Acostumados a cantar e tocar nos encontros familiares, os meninos tiveram a ideia de montar a banda em 2005, depois de um recital em casa. Deixavam, ali, de serem apenas músicos de esteio para a mãe, Bia Marinho.

No palco, Antônio Marinho atualiza a dicção do Pajeú que, entre si, os repentistas chamam de dicção poética (sim, musical e eticamente, há, claro, algo em comum com a extinta Cordel do Fogo Encantando: Lirinha, o antigo líder da banda, é contumaz interlocutor dos poetas da região). Canta como quem declama. Ou declama extraindo a musicalidade para além das rimas. “Acho que o que dá identidade ao grupo, mais do que um determinado padrão sonoro, é a pegada que damos a qualquer sonoridade. Mais do que o ritmo, é a poesia que perpassa tudo. Por isso, letras tão verborrágicas e a forte presença da declamação”, diz Marinho.

METABOLISMO POÉTICO

“Louro metaboliza nossa música quando não nos deixa esquecer quem somos. Por mais que nossa roupagem pop seja nova e distante da tradição de um cantador, seremos sempre netos de cantador experimentando e misturando repente com o resto do mundo. É nosso radar e localizador”, diz ele, prestes a seguir para uma série de apresentações da banda em São Paulo e para gravar o segundo disco.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa do Nordeste 2018 Copa do Nordeste 2018
A 15ª edição da Copa do Nordeste tem um sabor especial. 2018 marca a volta das transmissões de futebol da TV Jornal. Ao lado da co-irmã de Caruaru e de nove afiliadas do SBT Nordeste, a emissora vai levar ao público todas as emoções do torneio
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Feliz 2018! Feliz 2018!
Clique e faça sua própria queima de fogos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM