Jornal do Commercio
Carnaval 2018

Uptown Band celebra 30 anos de carreira no Gravatá Jazz Festival

O Quinteto Violado abriu a noite, em ritmo de maratona

Publicado em 13/02/2018, às 02h58

Uptown Band, festa no palco / foto: Anderson Souza/Secretaria de Imprensa de Gravatá
Uptown Band, festa no palco
foto: Anderson Souza/Secretaria de Imprensa de Gravatá
JOSÉ TELES

O Quinteto Violado veio direto de Aracaju para abrir a terceira noite do Gravatá Jazz Festival  a princípio com o repertório de carreira, Forró de Dominguinhos, Palavra acesa e a versão marcante de Asa branca. Em Algodão, de Zé Dantas e Luiz Gonzaga, teve a participação do pianista Amaro Freitas dividindo o teclado com Dudu Alves.
O  Quinteto Violado abriu a noite porque tinha show no Recife, na Praça do Arsenal.  Saiu do palco pra pegar a estrada. Muito fôlego para uma banda com 46 anos. No domingo o QV tocou em Aracaju até  quase cinco da manhã e veio do aeroporto dos Guararapes  pra Gravatá.
O Flenks é um supergrupo de instrumental  brasileiro, formado por Cesinha (bateria), Fernando Nunes (baixo) e Fernando Caneca (guitarra), que tocaram com todo mundo importante da MPB. Fazem basicamente rock e funk instrumentais. mas no inicio sem muita empatia com a plateia.

Aproximaram-se mais do publico quando enveredaram pela MPB, num pot-pourri de clássicos do forró, Baião, Sebastiana, O canto da Ema, Feira de mangaio, Qui nem jiló.   A participação de Amaro Freitas   onipresente nos três primeiros dias do festival, deu canja em boa parte dos shows.

UPTOWN 

A Uptown Band, que é sinônimo de blues no Recife, calejada por 30 anos de palcos, fechou a terceira noite do GJF com uma autocelebração. Um aperitivo para o show de lançamento do disco que comemora a  efeméride. Um disco que poderia entrar para o livro dos recordes pela quantidade de  participações do Brasil e do exterior o álbum, incluindo a uma rara colaboração do percussionista Airto Moreira.d
A vocalista Adriana Nascmento fez uma versão matadora do spiritual Trouble so hard, que ficou conhecida do disco Play, de Moby, com a Uptown em arranjo da banda. A versão que o grupo para o soul Hold on (i'm coming) seria aplaudida pela dupla que gravou a música originalmente, Sam and Dave.



O grupo tocou a parte final com todos os convidados no palco, entre eles, o americano Karl Dixon, o maestro Israel França, com um carnaval de clássicos do rock dos anos 50 e inicio dos 60, Rock around the clock, Good Golly miss Molly, e instrumentais de surf music, Mirslou, entre outros.

O Gravatá Jazz Festival termina hoje com o guitarrista Guilherme Cavalcanti, Divas do Jazz - Taryn Szpilman, Rhaissa Bittar, Bex Marshall e participação do guitarrista Fred Sunwalk - Allycats, e o soulman americano Earl Tomas.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Julgamento de Lula Julgamento de Lula
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou, no histórico 24 de janeiro de 2018, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ampliou a pena para 12 anos e 1 mês de reclusão
Copa do Nordeste 2018 Copa do Nordeste 2018
A 15ª edição da Copa do Nordeste tem um sabor especial. 2018 marca a volta das transmissões de futebol da TV Jornal. Ao lado da co-irmã de Caruaru e de nove afiliadas do SBT Nordeste, a emissora vai levar ao público todas as emoções do torneio
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM