Jornal do Commercio
Releitura

BNegão se aventura pelo canto de Dorival Caymmi

O foco será nos discos 'Canções Praieiras' e 'Caymmi e o Mar'

Publicado em 16/04/2018, às 15h35

BNegão / Divulgação
BNegão
Divulgação
Por Pedro Antunes, da Agência Estado

BNegão era mais conhecido como Bernardo Santos do que pelo apelido com o qual passou a ser identificado ao se transformar em um dos nomes mais importantes do rap nacional a partir dos anos 1990, com o estouro do Planet Hemp. Moleque de tudo, adolescente que ouvia de Emílio Santiago, por influência do pai, a punk rock nacional (Garotos Podres, Ratos de Porão e outros nomes do gênero mais combativo surgido naquela década), ele comprou por uma pechincha Dorival e o Violão, disco de 1959 de Dorival Caymmi, em um sebo no centro do Rio de Janeiro. Rumou de volta ao apartamento dos pais, no bairro de Santa Tereza, para seu ritual: num quartinho da casa, encaixou o vinil na vitrola, desceu a agulha, deixou a bolachona rodar.

Com as luzes apagadas, deitou no chão. De olhos fechados, viu o mundo. Um novo mundo. Pensou que ouviria canções praieiras, "solares", como ele explicou. Recebeu, de volta, um petardo sombrio e denso do início da carreira de Caymmi - grande parte das canções do disco era de Canções Praieiras, a estreia do cantor, compositor e poeta nascido em Salvador, lançado em 1954.

"Aquilo era quase Black Sabbath", brinca BNegão, dono de um dos risos mais fáceis e bem-vindos do hip-hop brasileiro. Aos 44 anos, ele enumera os projetos que estão por vir. São shows com Planet Hemp e as ideias de um novo disco ao lado do grupo seminal. Há também o relançamento do vinil de Enxugando o Gelo, disco de BNegão com Os Seletores de Frequência, pela Assustado Discos, para celebrar os 15 anos do álbum que levou sete anos para ser compreendido pelo público do País.

O que mexe com a cabeça de BNegão atualmente, contudo, é a lembrança dos tempos de Bernardo Santos. Vai resgatar a sensação de ouvir aquele disco de Dorival Caymmi com o primeiro show completamente de canção da carreira do rapper.



Com o nome de BNegão Canta Dorival Caymmi, a apresentação tem sua estreia marcada para os dias 28 e 29 de abril, no teatro do Sesc Pompeia. Nela, Bernardo estará ao lado apenas do seu xará Bernardo Bosisio, que tocou com nomes que vão de Ed Motta a Arthur Verocai, ao violão. O repertório não incluirá as canções solares da carreira de Caymmi e, sim, dará foco nos discos Canções Praieiras (1954), Caymmi e o Mar (1957). |

PROCESSO

Há pelo menos dez anos BNegão cogitava realizar a apresentação, mas, como ele conta, faltava-lhe coragem. "Era como aquela pessoa que nunca viu o mar, sacou?", ele diz. "E então essa pessoa fica diante do mar, aquela coisa gigantesca, mas não entra. Fica com medo e diz: ‘deixa para amanhã’. E vai embora", explica. Há dois anos, os dois Bernardos já se juntavam para alguns ensaios desse repertório. "Fiquei apavorado e parei", ri BNegão. Ano passado, a mesma coisa. "Fiz mais alguns ensaios, apavorei e parei", conta, "mas tinha tudo na cabeça, os arranjos Sabia como seria o show."

As turnês dos últimos anos ao lado de Wilson das Neves (que morreu em 2017) mostraram a BNegão (ou Bernardo) que aquele medo era bom. "É um show difícil, porque não tem como você se esconder", ele explica. É o mesmo sentimento que invadiu o adolescente que, deitado, ficou diante do ameaçador, misterioso e apaixonante mar cantado por Dorival Caymmi. "Com aquele disco, eu senti medo, fiquei apavorado, sem respirar. Foi algo que me marcou."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM