Jornal do Commercio
cultura cultura
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

Música

Guadalupe conta sua história com Dominguinhos

Ela conheceu Dominguinhos num show de Nara Leão

Publicado em 01/04/2013, às 08h31

José Teles

 

Na véspera de viajar para Exu, a fim de participar das comemorações pelo centenário de Luiz Gonzaga, Dominguinhos foi tomado de uma imensa angústia. Estava debilitado, depois de mais uma sessão de quimioterapia. Estava chorando quando chamou a mulher, a cantora Guadalupe, para conversar. Ela lhe disse que ele podia celebrar Luiz Gonzaga no show que aconteceria no Parque Dona Lindu, não precisava fazer a cansativa viagem ao sertão, de carro, já que Dominguinhos, há anos, não viaja de avião: “Eu disse que ele não podia ir. Ele teimou e foi dois dias antes, como se temesse ficar impossibilitado de ir. Acho que ele sabia que ia ter consequência. Porém criaram muita expectativa em torno dele, como principal herdeiro de Luiz Gonzaga. Ele pagou pra ver, e o preço foi alto”. 

O comentário é da cantora Guadalupe Mendonça, que convive com Dominguinhos há 37 anos., e com quem teve a também cantora Liv Moraes. Ela e Dominguinhos casaram-se, se se separaram, mas amizade continuou. Ela e a filha acompanham o drama do artista muito antes de se tornar público que ele estava acometido de um câncer no pulmão: “Diziam que ele não duraria seis meses, e já se passaram seis meses. A gente, eu e Liv, acompanhava, monitorando de longe. Quando viajava, eles ligava pelo menos quatro vezes por dia. Mas não tem sido fácil. Passei a tomar antidepressivo”, revela Guadalupe.


Seu relacionamento com Dominguinhos é um capítulo longo, e pouco conhecido, da vida dele. Os dois se conheceram no Rio, no final dos anos 70, mas Guadalupe confessa que se apaixonou por Dominguinhos a primeira vez que o viu no palco, num show de Nara Leão: “Eu estava prestes a sair do Brasil, tinha sido contratada por um produtor inglês para dançar no Molin Rouge, em Paris. Mas quando começou o show, uma das músicas foi Folhetim, que não havia ainda sido gravada, comecei a chorar. Comecei a me dizer que não podia sair do Brasil, que precisava daquilo. Quando terminou o show sai correndo feito uma louca para o camarim. Queria falar com. Pedi para me apresentaram o sanfoneiro”.

A facilidade de chegar ao camarim, porque ele foi com o tio, o ator Luiz Mendonça, e quem produzia o show era o pernambucano Wellington Lima, na época casado com Xuruca Pacheco, prima de Guadalupe. A primeira vez que ela viu Dominguinhos foi em Fazenda Nova, ainda adolescente. Ele tinha ido participar do primeiro festival de verão que aconteceu no teatro ao ar livre˜. Dominguinhos na época tocava com Gal Costa: “Os melhores momentos da minha vida aconteceram em Fazenda Nova. Comecei a fazer a Paixão de Cristo com quatro anos de idade”, conta Guadalupe. Foi o avô dela, Epaminondas Mendonça, líder político da região, que iniciou, com sua mulher, Sebastiana Mendonça, a Paixão de Cristo, em 1951. O filho dele, Luiz Mendonça, foi o primeiro Cristo na encenação do drama sacro.

Mesmo com antecedentes na família, o pai de Guadalupe, o deputado Paulo Lucena de Mendonça, proibiu a filha de seguir a carreira artística: “Sofri violência doméstica. Meu pai me proibia de pensar, de viver”, confessa Guadalupe. Mas não adiantou. No Recife, ela começou a participar de programas no Canal 2 (atual TV Jornal). Quando se tornou impossível continuar cantando, pelas imposições do pai, Guadalupe conta que, com 18 anos, fugiu para São Paulo: “Conheci Marcio Fasano, quando ele veio ao Recife com a peça Computa, computador, computa de Millor Fernandes. Fiquei hospedada na casa dos avós dele em São Paulo. Trabalhei como modelo, participei do musical Onde canta o sabiá, com direção de Tânia Alves”, conta Guadalupe. Tânia Alves participou do grupo Chegança, de Luiz Mendonça. 

De São Paulo ela para o Rio, morar na casa de Luiz Mendonça, ator com carreira estabelecida, e que incentivava a sobrinha: “Comecei a ganhar dinheiro fazendo fotonovelas, tinha muito naquele tempo, Contigo, Capricho, Sétimo Céu. Minha tia, Diva, mandou uma carta para Daniel Filho, e passei a fazer pontas em novelas da Globo. a primeira de que participei foi Dancing days”. E aí veio o show com Dominguinhos e Nara Leão: “Sai andando pelos corredores do teatro e, de repente, lá vem Dominguinhos caminhando em minha direção. Só nós dois. Ele perguntou se eu tinha gostado do show. Disse que estava apaixonada por ele. Fui para São Paulo, e não parava de pensar em Dominguinhos. Quando voltei para o Rio, encontrei por acaso, diante do Teatro Carlos Gomes, o zabumbeiro que tocava com ele. Mandei um beijo para Dominguinhos”. 

Leia maisna edição impressa de hoje do Jornal do Commercio

 

Palavras-chave

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentários

Por normalinda moraes cavalcanti,30/07/2013

Sinto muito a triste e feliz história de Guadalupe e Dominguinhos.Mas Deus é muito poderoso e deixou uma filha maravilhosa deste relacionamento , LIV que é a prova materalizada e espirutualizada deste lindo AMOR. Rogo à Deus pra que elas superem esta fase de adaptação à vida sem Dominguinhos , e se sintam privilegiadas ter nascido e convivido com uma pessoa tão especial, que com certeza é única no mundo!Amo vocês , e ontem, na missa conhecí o Lucas , que será sem dúvida o herdeiro musical do avô Dominguinhos!Deus o tenha no cèu, iluminando toda a família!

Por ribeirinha,29/07/2013

Izildinha, converse com ela através de seu facebook pessoal! https://www.facebook.com/guadalupe.mendonca

Por Izildinha Sambrano,26/07/2013

Procuro há anos o irmão de Guadalupe, Paulo Lucena Mendonça Filho. Como posso entrar em contato com Guadalupe? Obrigada

Por Raissa,02/04/2013

matéria mal escrita!

Por abdon jordão filho,01/04/2013

Muito importante o depoimento de Guadalupe, não só pelo que diz do seu relacionamento com o Dominguinho, mas pelo resgate histórico de "Fazenda Nova", estação hidromineral/Distrito do Brejo dde Madre Deus, e da família Mendonça, nos primórdios da encenação da "Paixão de Cristo", precursora da atual "Nova Jerusalem", conhecida internacionalmente... Viva Dominguinho! Viva Fazenda Nova, de cuja "fonte" bebi e me banhei quando menino...

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Abandonada e sem uso, a antiga Estação de Camaragibe, no Grande Recife, virou um depósito de lixo
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

> JC Imagem

Abandonada e sem uso, a antiga Estação de Camaragibe, no Grande Recife, virou um depósito de lixoA estação do trem, a casa do chefe da estação e o armazém estão tomados pelo mato em CamaragibeAo lado da linha férrea, a antiga estação de trem de Camaragibe (PE) teve portas e janelas roubadasPrédio construído em Camaragibe, no início do século 20, fazia parte da Rede Ferrroviária FederalEstação de Camaragibe fica no bairro de Alberto Maia. Moradores pedem a revitalização do imóvel

Ranking do dia

Especiais JC

Cobertura das eleições 2014 Cobertura das eleições 2014
Confira a cobertura completa das eleições 2014
Periferia travada Periferia travada
Especial mostra as dificuldades que pessoas que moram no subúrbio do Grande Recife têm para deslocar na periferia
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM