Jornal do Commercio
televisão

Ney Latorraca é destaque em 'Alexandre e Outros Heróis'

Dia 11 fez um ano que ele chegou em casa - 15 quilos mais magro e com muita fisioterapia pela frente

Publicado em 16/12/2013, às 09h44

 / Foto: Divulgação/Rede Globo

Foto: Divulgação/Rede Globo

Da Agência Estado

“Tem gente que nasceu coadjuvante. Eu sou protagonista em qualquer situação. É uma atitude diante da vida.” Mesmo dita em tom de gracejo, a afirmação soaria arrogante vinda de qualquer um - menos de Ney Latorraca. Um ano depois de receber alta de uma internação da qual quase não voltou, o ator, que faz 70 anos em 2014, 50 de carreira, é a figura central de dois projetos, um na TV e outro no teatro, que têm lhe renovado o prazer de viver e de atuar.

Quarta-feira, 18, vai ao ar, na Globo, Alexandre e Outros Heróis especial dirigido por Luiz Fernando Carvalho e adaptado de dois contos de Graciliano Ramos. Já depois do carnaval, ele estreia, em São Paulo, a peça Entredentes, de Gerald Thomas, com a qual deve viajar pelo Brasil e a América Latina. 

“A melhor coisa é você voltar ao trabalho fazendo o que mais gosta. É o grande remédio. Eu venho da literatura adaptada, de Anarquistas, Graças a Deus, Rabo de Saia... Toda vez que eu faço os livros voltam a ser vendidos”, conta Ney, que falou à reportagem num passeio pela Lagoa Rodrigo de Freitas, onde vive, na semana passada.

A “volta” a que Ney se refere não é só ao trabalho, mas à vida que conhecia até outubro de 2012. Foi quando ele se internou para operar a vesícula, um procedimento simples que acabou mal. Depois de ir para o quarto e vislumbrar a alta, teve uma infecção generalizada e acabou no Centro de Terapia Intensiva. A classe e o público se assustaram, já que Ney vende saúde desde que parou de fumar e passou a se exercitar, há uma década. 

“Quando me contaram o que tinha passado, fiquei assustado. O que mais me impressionou foi tomar seis anestesias gerais e minha memória não ter sido afetada. Você muda totalmente seus valores depois disso, dá uma guinada de 700 graus. Só não consigo ficar calmo. Gosto de chegar cedo aos lugares (no local da entrevista, apareceu meia hora antes), já ganhei diploma de ‘parabéns, você pagou seu IPTU um ano antes!’. Sou uma úlcera”, brinca.

Dia 11 fez um ano que ele chegou em casa - 15 quilos mais magro e com muita fisioterapia pela frente. Assim que teve condições mínimas, voltou à rotina diária de caminhadas ao redor da Lagoa (faz oito quilômetros em pouco mais de uma hora, um ritmo bom para um senhor com histórico de quatro décadas de tabagismo) e ao Projac e já foi para Nova York ensaiar com Gerald.

“Claro que temi pela vida dele. Temi e senti na pele, na alma. Foram três dias sem dormir, sem comer ou algo assim. Fiquei completamente ligado nele”, conta o diretor. “Como o dirigi várias vezes e como nos encontramos em cinco ou seis países do mundo, sei muito dele e muito dele estará na peça.”

Os dois haviam se encontrado em Londres pouco antes da hospitalização. A peça, que começara a ser escrita pouco antes, se passa no Muro das Lamentações, em Jerusalém. Ney vive um papel mediúnico.

Ator e diretor estiveram juntos em três espetáculos nos últimos 27 anos, e havia muito, queriam voltar a trabalhar juntos. “A pergunta do texto é: por que estamos fazendo essa peça? Pra que fazer teatro? Gosto de trabalhar com pessoas como o Luiz Fernando Carvalho, como o Gerald, que me acrescentam. E o Gerald trabalhou com quem? Sérgio Britto, Fernanda Montenegro, Ney Latorraca...”

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM