Jornal do Commercio
SEGREDO

O fascínio pelo anonimato de artistas como Banksy e Daft Punk

O mundo da arte é recheado de casos de criadores de sucesso que escondem a própria identidade

Publicado em 05/01/2017, às 12h03

Artistas como a dupla Daft Punk transformaram o anonimato em uma de suas marcas / Divulgação
Artistas como a dupla Daft Punk transformaram o anonimato em uma de suas marcas
Divulgação
Aurélie Mayembo, da AFP

Suas obras fazem sucesso no mundo toda, mas ninguém sabem quem são seus autores. A escritora italiana Elena Ferrante, o artista grafiteiro Banksy e o grupo Daft Punk ocultam cuidadosamente suas identidades, uma decisão no mínimo curiosa em um mundo extremamente midiático.

"Há 20 anos decidi, de uma vez por todas, me livrar da ansiedade da fama. Está claro que para quem ama a literatura, os livros bastam", explicou por e-mail em 2015 à revista Vanity Fair a autora que se diz chamar Elena Ferrante.

Mas o anonimato reflete um desejo de destacar antes de tudo as obras? Ou é uma forma de chamar ainda mais a atenção? 

É uma maneira de "injetar um pouco de mistério em uma época que precisa de ficção", avalia o sociólogo Stéphane Hugon. Ele, no entanto, alerta que uma vez revelado, o "segredo é sempre decepcionante". "Quando soubermos quem é essa Elena nos sentiremos frustrados".

Ocultar sua identidade é também, segundo esse especialista da cultura pop, um ato de "resistência" em uma sociedade que reivindica a transparência. Esse é o caso de Banksy, que foge da imprensa, só responde por e-mail e denuncia a espionagem maciça na era da internet.

Desmascarar esses artistas é um desafio para muitos admiradores e jornalistas. 

O último rumor sobre o ícone da arte de rua indicava que ele era membro da banda Massive Attack, que também é originário de Bristol, na Inglaterra.

Já Ferrante, um jornalista italiano a identificou analisando os fluxos financeiros de sua editora. Resultado: a autora da Série Napolitana que tem início com "A amiga genial" seria uma tradutora romana chamada Anita Raja, uma informação que não foi confirmada oficialmente.

DJS

Nem todos os artistas que buscam o anonimato o fazem pelos mesmos motivos, destaca Philip Auslander, professor de literatura e de comunicação do Instituto de Tecnologia da Geórgia (Estados Unidos). Há aqueles que não querem aparecer em público e os que aparecem com máscaras, como o grupo Daft Punk.

Os artistas que não podem deixar de lado as exibições em público "precisam recorrer a diferentes estratégias para conseguir um relativo anonimato", explica, referindo-se sobretudo aos músicos.

"A música eletrônica é propícia para os artistas que querem apresentar-se por trás de uma máscara, como o Daft Punk, o Deadmau5, o Marshmallow. Quem sabe porque (este gênero) seja uma forma de negação do individualismo em favor da experiência coletiva, a identidade do DJ não importa", explica Auslander.

O problema é que a partir de determinado momento, os Daft Punk, por exemplo, que sempre aparecem ocultos sob seus capacetes de robots, já não podem mais voltar atrás. "É sua marca de fábrica", afirma o sociólogo Stéphane Hugon.

Outro risco é que o anonimato se transforme em um fenômeno de moda, ou até mesmo em um filão.

A editora francesa Sabine Wespieser publicará em fevereiro um primeiro romance, "Joie" (Alegria), de Clara Magnani, um pseudônimo femenino com uma sonoridade italiana, que seguramente não escapará das comparações com Ferrante.

"Tudo o que desejo é o mesmo sucesso para este livro", afirma a editora. "O mistério da identidade não é pertinente se não houver nada (artisticamente) por trás", completa. 

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM