Jornal do Commercio
Fotografia

Fotógrafo pernambucano registra diversidade da cultura drag

Fernando Cysneiros fotografou artistas de três países para o projeto

Publicado em 04/03/2017, às 08h00

Nina Codorna (BA) é uma das queens registradas pelo projeto / Fernando Cysneiros/Divulgação
Nina Codorna (BA) é uma das queens registradas pelo projeto
Fernando Cysneiros/Divulgação
Márcio Bastos

Para alguns, o conceito de drag queens está restrito à ideia de homens vestindo-se com indumentária considerada feminina, emulando também comportamentos associados ao que se convencionava como “de mulher”. Esta ideia, no entanto, está sendo diluída, graças ao entendimento cada vez maior de que sexualidade e gênero são muito mais complexos do que o patriarcado costumava pensar. Nesse contexto, as drag queens assumem um papel de protagonismo na quebra desses padrões, expressando questões políticas (e também entretendo) através de sua arte. Fascinado pelo trabalho desses artistas, o fotógrafo pernambucano Fernando Cysneiros está desenvolvendo o projeto The Drag Series, no qual registra o trabalhos de artistas locais, nacionais e internacionais.

Realizado desde maio de 2016, o projeto já registrou cerca de 80 drags de 16 cidades e três países. “Por um lado, o projeto surgiu como um hobby. Por outro lado, ao longo de minha carreira, sempre trabalhei com foco em satisfazer as necessidades dos meus clientes, mas nunca tinha criado algo que eu tivesse total liberdade criativa. Vi no projeto minha chance de criar algo sem amarras. Durante o desenvolvimento (que ainda está em andamento e sem previsão de término), acabei viajando algumas vezes por conta de trabalhos ou apenas turismo, e decidi levar meu equipamento para registrar as drags das cidades pelas quais passei”, explica Fernando.

Ao lançar seu olhar para o trabalho dessas artistas, o fotógrafo contatou a pluralidade da arte drag, que não se conforma com regras de gênero ou sexualidade, preferindo desafiá-las. Com artistas como Pabllo Vittar, Glória Groove, Lia Clark, na música, performers, artistas, maquiadoras, estilistas, a arte drag se mostra vigorosa e cada vez mais presente na cultura de massa.

“A cena drag é muito plural para notar diferenças do tipo de acordo com a geografia, pelo menos no aspecto visual. Em toda cidade que visitei, sempre há artistas de diferentes estilos: as mais femininas, as mais monstras etc. O que noto é a diferença na área de atuação de trabalho, que muda conforme as oportunidades que cada cidade oferece”, avalia. 

Em relação ao que o atrai no trabalho das drags e o que busca capturar com sua câmera, Fernando é enfático: “Tudo que envolve a arte drag, desde a transformação, a autoconfiança e a coragem de sair montada num país de povo tão preconceituoso como o Brasil”.

CONFIRA FOTOS DO PROJETO


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.
#PeloCaminhar #PeloCaminhar
Mais do que mobilidade, caminhar também é apropriar-se da cidade. Mas o caminhar está difícil. A mobilidade a pé necessita de uma infraestrutura própria, decente, que eleve o pedestre ao posto maior. Por isso o JC lança a discussão #PeloCaminhar.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM