Jornal do Commercio
Fechado

Teatro do Parque: obras seguem paradas e não há previsão de reabertura

Antes um dos palcos mais consagrados do Recife, espaço está abandonado

Publicado em 17/03/2017, às 11h14

Teatro do Parque, sem obras há mais de um ano e meio, continua com futuro incerto / JC Imagem
Teatro do Parque, sem obras há mais de um ano e meio, continua com futuro incerto
JC Imagem
JC Online

Um dos exemplos mais emblemáticos do descaso do poder público com a cultura, no Recife, é o Teatro do Parque. O equipamento cultural, que já foi um dos mais movimentados da capital pernambucana, inaugurado em 1915 está fechado desde 2010. A primeira fase da reforma, com objetivo de sanar problemas estruturais e substituir o telhado, custou R$ 1 milhão. A segunda etapa, que prevê restauro e modernização doteatro, como sonorização, tela, mobiliário, entre outros, tem custo previsto de R$ 12 milhões, mas ainda está em processo de captação, via Lei Rouanet.

A entrega, prevista inicialmente para a comemoração do centenário, em 2015, é uma incógnita e, há mais de um ano, as obras estão completamente paradas. Em novembro, o Ministério Público de Pernambuco ajuizou ação pedindo que seja expedida liminar exigindo reinício imediato das obras de restauro do espaço.

Durante a última campanha eleitoral, os candidatos a prefeito foram enfáticos em ressaltar a reabertura do Teatro do Parque como prioridade. O atual gestor, Geraldo Julio, que em seu primeiro mandato não avançou nas melhorias, disse, inclusive, que iria reformar, mas só "quando tivesse recursos."

A placa com a ordem de serviço da empresa Concrepoxi, responsável pela primeira fase do projeto, instalada há pelo menos um ano e meio, estava exposta sem um dado essencial para a população: o valor. Procurado pela redação do JC, o Gabinete de Projetos Especiais admitiu o erro e disse que a placa será retirada e outra será colocada quando a nova etapa for licitada (ainda sem previsão).

"A atual placa de sinalização foi colocada pela empresa contratada à época da realização da primeira etapa da obra que o teatro foi submetido. Já foi solicitada a retirada da placa, uma vez que o contrato com a empresa já chegou ao fim. A placa deverá ser retirada pela empresa Concrepoxi já na próxima semana. Uma nova licitação será realizada para o cumprimento da segunda etapa da obra de restauro do Teatro do Parque. Tão logo a empresa vencedora for autorizada a iniciar os serviços, uma nova placa será colocada no local com todas as informações técnicas, incluindo valor total da obra", explicou a Prefeitura em nota.

DESCASO

Para os moradores, comerciantes e transeuntes que passam pelo Teatro do Parque diariamente, a situação do entorno só piorou desde o fechamento do espaço, em 2010.

"Penso que a situação do Teatro do Parque reflete a situação de abandono do centro do Recife, no geral; e de descaso com a cultura, em particular, no tocante à atenção do poder público municipal para essas áreas. Para mim, que moro no centro há 12 anos, está claro que o centro não é prioridade, do ponto de vista urbanístico, patrimonial, cultural e humano para a Prefeitura. O Parque era um equipamento cultural vivo, pulsante, que trazia vida para esta região do centro. O Teatro do Parque, portanto, é quase um sintoma, um emblema, um símbolo desse vazio que se arrasta desde 2010. Sete anos de um Teatro-Patrimônio fechado são uma vergonha para uma cidade como o Recife, uma metrópole produtora e consumidora de cultura”, critica o diretor e professor Rodrigo Dourado, que mora ao lado do Teatro do Parque.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,17/03/2017

Isso simplesmente mostra o reflexo de um estado que não tem governantes, governador e prefeitos, não falo nem em deputados estaduais e vereadores, que são peças decorativas da pior espécie possível. Hoje, em nosso estado temos um governador e um prefeito da capital, investigados pela lava jato, por serem membros permanentes da quadrilha de Eduardo Campos 10%, que ainda continua atuante sob a batuta dos dois acima citados e mais Bezerra Coelho e Tadeu Alencar, pode até vir dinheiro para o estado mas, com certeza não será utilizado em obras e sim desviado.

Por Osvaldo,17/03/2017

São sete anos para concluir uma obra! Quatro anos e três meses só durante o mandato do sr. Geraldo Júlio, que por sinal, depois de reeleito, sumiu da cidade, que continua suja, fedorenta e intransitável em trechos como as calçadas da Av. Conde da Boa Vista. Mas............foi reeleito com 60% dos votos válidos! Pelo jeito, os recifenses gostam da forma propagandística de administrar deste prefeito!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM