Jornal do Commercio
INICIATIVA

Projeto cria hijabs para Barbies e doa renda para organizações

Hello Hijab colabora com organizações que lutam pela inclusão e pelas comunidades multiculturais

Publicado em 09/05/2017, às 18h51

Uma das peças do projeto Hello Hijab / Reprodução
Uma das peças do projeto Hello Hijab
Reprodução
Estadão Conteúdo

Uma iniciativa norte-americana criou hijabs para Barbies para estimular a diversidade e lutar contra estigmas negativos. O Hello Hijab vende os lenços típicos muçulmanos por seis dólares e toda renda é revertida para organizações que lutam pela inclusão e pelas comunidades multiculturais.

O projeto faz parte da For Good, uma pequena organização social em Pittsburgh, nos Estados Unidos. O objetivo deles é ajudar pessoas marginalizadas no país, como a comunidade muçulmana.

De acordo com o site, o Hello Hijab acredita que, apesar de as pessoas serem diferentes e terem crenças diferentes, as características em comum devem ser mais fortes. "Nós lutamos por um mundo onde todos vivam juntos".



Bonecas

Em entrevista ao Mashable, Gisele Fetterman, uma das criadoras do projeto, diz que a ideia surgiu ao ver as bonecas de sua filha, Grace. Ela percebeu que nenhuma delas parecia com as mães e avós de suas amigas muçulmanas e que não é fácil encontrar brinquedos assim no mercado.

"Acho que meninos e meninas deveriam ter acesso a isso (hijab para bonecas) para se familiarizar com pessoas que são diferentes deles e que tem crenças diferentes", diz.

Ela decidiu compartilhar a ideia com sua amiga Safaa Bokhari, que é muçulmana, e, juntas, elas idealizaram o projeto. Os pedidos podem ser feitos pelo site.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM