Jornal do Commercio
CARNAVAL 2018

Foliões de Olinda já pensam no Carnaval do ano que vem

Milhares de pessoas estiveram no Sítio Histórico da cidade para se despedir do Carnaval

Publicado em 14/02/2018, às 08h03

São exatos 381 dias até o Sábado de Zé Pereira de 2019 / Guga Matos/JC Imagem
São exatos 381 dias até o Sábado de Zé Pereira de 2019
Guga Matos/JC Imagem
JC Online

O sol iluminou as ladeiras e os foliões não arredaram o pé do Sítio Histórico de Olinda nesta terça, último dia no calendário oficial, embora hoje ainda haja bacalhau no Alto da Sé e shows no Polo Chico Science, no bairro de Rio Doce. Quem não vai poder participar dessas brincadeiras lamentava apenas a chegada da “quarta-feira ingrata” e já fazia as contas para o sobe e desce em todos os ritmos no ano que vem. Em 2019, o Sábado de Zé Pereira será no dia 2 de março, a exatos 381 dias, contados a partir desta quarta-feira.

Um grupo de seis amigos que brincava pelas ruas do Centro Histórico de Olinda estava entre os que faziam os cálculos para a festa do próximo ano. A maioria volta ao trabalho hoje, mas a cabeça já está no Carnaval de 2019. “Eu vou dar uma esticada na festa. Ainda tem mais um pouco de gás para soltar aqui nas ladeiras. Já estou ansiosa para o que vem. Até lá, a gente vai brincando esse restinho de 2018”, afirmou a turismóloga Roberta Galvão, 37 anos, moradora de Olinda.

Nem todo mundo que gosta de Carnaval estava nas ladeiras. Teve gente que acompanhou tudo de casa mesmo. Foi o caso da aposentada Ivanilda Alves, 85. Natural de Igarassu e moradora de Olinda há 70 anos, ela disse não ter mais saúde para brincar, mas nem por isso deixa de ver o vai e vem dos blocos no Largo do Amparo. Com as mãos apoiadas na janela de casa, a experiente foliã resumiu em saudade a chegada da quarta-feira.



“Essa é a melhor festa do ano, mas se o povo soubesse brincar seria muito melhor. No meu tempo não tinha essas brigas todas que têm hoje. Eu já subi e desci muito essas ladeiras. Hoje não tenho mais saúde, aí fico aqui só observando da minha janela. E já estou aqui pensando na festa do ano que vem”, disse. A paixão pelo Carnaval está impregnada na família de dona Ivanilda, que é mãe de Luiz Adolpho, o presidente do Clube de Alegoria e Crítica Homem da Meia Noite.

AFOXÉS

A poucos metros dali, no Largo do Guadalupe, no Polo Cariri, grupos de afoxé deram um toque religioso à festa. Quem esteve por lá foi Mãe Beth de Oxum, 54 anos e integrante do Afoxé Babá Orixalá. “Nós temos uma diversidade muito grande. O povo negro tem participação importantíssima na cultura e na religiosidade não só de Pernambuco, mas do Brasil. Acho fundamental esses eventos que protagonizam a cultura negra. Nós somos ainda muito satanizados e convivemos com muita intolerância. O Carnaval é um momento de respeito”, explicou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM