Jornal do Commercio
Polêmica

L'Oréal demite modelo transgênero após supostos comentários racistas

A modelo disse que foi injustiçada e propôs um boicote à L'Oréal; entenda

Publicado em 01/09/2017, às 19h50

Munroe Bergdorf / (Foto: Divulgação)
Munroe Bergdorf
(Foto: Divulgação)
JC Online

A modelo transgênero Munroe Bergdorf foi retirada de uma campanha que celebrava a diversidade promovida pela marca L'Oréal no Reino Unido após comentários considerados racistas terem sido publicados em suas redes sociais.

Entenda

De acordo com o jornal Daily Mail, Munroe teria publicado a seguinte mensagem: "Honestamente, eu não tenho mais energia para falar sobre a violência racial das pessoas brancas. Sim, de TODAS as pessoas brancas". Posteriormente, a publicação foi deletada.

O fato tomou grande repercussão, e a conta oficial da L'Oréal do Reino Unido no Twitter informou o fim do vínculo com a modelo: "L'Oréal é campeã da diversidade. Comentários de Munroe Bergdorf estão em desacordo com nossos valores, e por isso decidimos terminar nossa parceria com ela".

Munroe, por sua vez, revoltou-se e publicou textos no Facebook explicando que as frases foram "tiradas de contexto", e que se referiu aos ataques racistas ocorridos em Charlottesville há algumas semanas.



"Quando constatei que 'Todas as pessoas brancas são racistas', eu estava me referindo ao fato de que a sociedade ocidental, como um todo, é um sistema baseado em supremacia branca - feito para beneficiar, priorizar e proteger pessoas brancas antes de qualquer um de qualquer outra raça. Sem saber, pessoas brancas são socializadas para serem racistas a partir de seus nascimentos. Não é algo genético. Ninguém nasce racista", escreveu.

Em seguida, a modelo também propôs um boicote à L'Oréal: "Esta marca de maquiagem não se preocupa com nada além de dinheiro. Eu convoco vocês a boicotar a L'Oréal Paris. Não consigo expressar como estou desapontada com todo o time em lidar com frases que foram completamente tiradas de contexto", escreveu.

 A unidade britânica da L'Oréal escreveu sobre o assuno:

"A L'Oréal defende a diversidade. Os comentários de Munroe Bergdorf não combinam com nossos valores, e por isso decidimos encerrar nossa parceria com ela".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM