Jornal do Commercio
Imbróglio

Curador não sabia que mostra do Santander Cultural seria cancelada

Gaudêncio Fidelis se pronunciou sobre o fechamento da exposição em Porto Alegre

Publicado em 12/09/2017, às 13h50

Gaudêncio Fidélis falou sobre o fechamento da mostra 'Queermuseum'. / Foto: Facebook/Reprodução
Gaudêncio Fidélis falou sobre o fechamento da mostra 'Queermuseum'.
Foto: Facebook/Reprodução
Por Luciano Nagel, especial para o Estadão Conteúdo

O curador da exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, Gaudêncio Fidélis, afirmou na segunda-feira, dia 11, que não foi informado pelo Santander Cultural sobre o fechamento da exibição que estava em cartaz no centro de Porto Alegre desde o dia 15 de agosto. "Foi uma decisão unilateral do Santander. Nunca fui consultado sobre isso. Fiquei sabendo por uma mensagem que recebi de uma amiga que leu no Facebook", explicou.

A exposição contava com mais de 270 obras, que exploravam a diversidade dos gêneros, e estava prevista para ir até 8 de outubro. Mas foi cancelada no domingo, por causa da insatisfação de frequentadores, que acusaram a exposição de blasfêmia em redes sociais

Segundo o curador, os detalhes que aparecem nas obras expostas não fazem alusão a pedofilia, blasfêmia ou zoofilia. "Na obra intitulada Cena de Interior II, de Adriana Varejão (uma das mais polêmicas), não se pode dizer que um pequeno fragmento de uma pintura faz apologia à zoofilia, porque na verdade é uma obra crítica do processo de colonização do País", argumentou. Para Gaudêncio Fidélis, o fechamento da exposição foi uma atitude arbitrária.



Nas redes sociais, um grupo de apoio a favor da reabertura da exibição foi organizado. Nesta terça-feira, 12, um ato pela "liberdade de expressão artística e contra a LGBTfobia" será realizado a partir das 16 horas em frente do Santander Cultural, em Porto Alegre.

NOTA DO SANTANDER

Em nota, o Banco Santander pediu desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra. O objetivo "é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia".


Recomendados para você


Comentários

Por Rafael dos Santos Lopes,12/09/2017

As imagens de crianças NUNCA deveriam ser associadas com qualquer tipo de exposição que faça menção à conteúdo erótico . essa merda toda de atacarem o catolicismo também já encheu o saco quero ver esses "artistas" de merda desrespeitarem religiões que representadas por loucos equivocados frequentemente executam homossexuais em seus países de origem . esses caras são um bando de covardes e tentam esconder a sua intolerância para com os valores e fé alheias em uma pseudo arte que pelo que vi parece bem nojenta. temos que respeitar à maioria que não concorda em ver seus simbolos sagrados sendo desrespeitados para o público em geral . se eu associar os substantivos bichona ou sapatão à um individuo homossexual posso até ser processado ,e creio que isso seja correto MAS, esses cretinos podem escrever vagina em uma hóstia e colocar um macaco no colo de uma mulher representando a virgem maria que é arte? onde está a punição pelo desrespeito à maioria? não sou católico mas me sinto imensamente desrespeitado pela falta de limites dessa gente que tenho certeza não representa a grande maioria dos gays que apenas querem seus direitos civis garantidos e não tem a minima intenção de fazer esse circo todo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM