Jornal do Commercio
Opinião

Ex-ministro Roberto Freire critica suspensão da mostra no Santander

Político pernambucano que já comandou o Ministério da Cultura expressou seu ponto de vista sobre a polêmica

Publicado em 12/09/2017, às 12h58

O ex-ministro da Cultura afirmou ser contra o fechamento da exposição do Santander Cultural. / Foto: Facebook/Roberto Freire/Reprodução
O ex-ministro da Cultura afirmou ser contra o fechamento da exposição do Santander Cultural.
Foto: Facebook/Roberto Freire/Reprodução
JC Online

O fechamento da mostra QueerMuseu em Porto Alegre, organizado pelo Santander Cultural, tem acendido uma polêmica nas redes sociais. Com opiniões contra e a favor, pessoas físicas e personalidades tem expressado seu ponto de vista sobre a questão. Na última segunda-feira (11), foi a vez do político pernambucano Roberto Freire, que já comandou o Ministério da Cultura, se posicionar sobre o assunto.

Em sua página pessoal no Facebook, o deputado se disse perplexo com a situação e citou outros casos de situações semelhantes. "Isso me lembra da época em que participava do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito do Recife nos idos de 1965. Um dos primeiros atos da nossa gestão foi organizar uma exposição de arte nos salões da faculdade. Ocorre que houve uma grande polêmica em torno de uma das obras – um quadro que exibia um Cristo negro. A exposição foi um sucesso, mas só durou aquela noite. No dia seguinte, a ditadura determinou o fechamento da mostra e apreendeu a obra", relatou.



Roberto também citou uma história que se passou no regime nazista da Alemanha nos anos 30 para contextualizar com a atual situação da mostra recém-fechada no Sul do País. "Guardadas as devidas proporções, isso tem algo a ver com o bisonho espetáculo que estamos acompanhando no Rio Grande do Sul. Não quero discutir aqui a qualidade das obras exibidas, se têm valor artístico ou não. Reconheço até que algumas dessas obras subjetivamente não me agradam. Porém, o fundamental é destacar o erro da decisão de proceder ao fechamento da exposição. Se foi aberta, não poderia ser fechada por manifestações contrárias", reforça.

Para o ex-Ministro da Cultura, o fechamento da exposição do Santander Cultural é fruto de censura. "Quem fecha exposições de arte - e aqui, cabe repetir, não importando saber o juízo de valor das obras - é a ditadura. [...] A ação política desses movimentos que levaram ao fechamento da exposição em Porto Alegre pode gerar algo muito perigoso para a democracia: a política se transformando em censora da expressão artística e cultural", afirma.

VEJA O TEXTO DE ROBERTO FREIRE NA ÍNTEGRA:


Recomendados para você


Comentários

Por Roberto Copet,18/09/2017

O banco Santander emitiu mais uma nota na manhã de hoje a respeito da polêmica em torno da exposição promovida pelo programa “Santander Cultural”, encerrada esta semana após efusivas manifestações contra e a favor. No referido documento, o banco esclarece que, por um erro de digitação, acabou contratando um “currador” – pós-doutor em curra e suruba pela Universidade Federal de Lapão Roliço – quando pretendia contratar um curador para selecionar as obras que comporiam o acervo da exposição. “NÃO FOSSE ESSE ERRO DE DIGITAÇÃO, NÃO TERÍAMOS ESSA CELEUMA TODA”, afirma o documento. A exposição não tem previsão de ser reaberta ao público, mas tanto puritanos, como putanheiros têm tecido críticas a ela. “É IMORAL, ENTÃO NÃO PODE SER ARTE”, declarou uma transeunte, ao passo que outro afirmou que “EM TERMOS DE PUTARIA, PREFIRO OS FILMES DAS BRASILEIRINHAS”.

Por Marie,13/09/2017

Isso é uma tremenda falta de respeito com imagens simbólicas das religiões, crianças, pessoas e animais. Onde já se viu expor cenas explícitas de sexos de todas as formas !! Tudo tem limites !!!O respeito e o bom senso estão sendo deixados de lado por uma necessidade exacerbada de que tudo se pode dentro de uma democracia.

Por hermano,13/09/2017

Vamos boicotar o Santander!!! Banco incentivador da pornografia e pedofilia. Estas mentes degeneradas que criaram estas porcarias não têm o direito de agredir a sociedade com suas perversões.

Por haroldo,13/09/2017

Porque esta gente que se posiciona a favor de uma exposição pornográfica e de incentivo à pedofilia, não leva estas " obras de arte" para expor na casa das mães deles. Seria um local apropriado.

Por Renato,13/09/2017

como tem @#$%s nesse p@#$%ios?/ch@#$%m@#$%@#$% @#$% @#$% @#$%ss@#$% @#$% @#$%@#$%te é o fim @#$% pic@#$%@#$%,b@#$%ndo @#$% zumbis do pt.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM