Jornal do Commercio
DENÚNCA

Amazon suspende diretor de filmes após denúncia de assédio

Roy Price, diretor da unidade de filmes, é acusado de assediar uma produtora da empresa

Publicado em 13/10/2017, às 08h45

Roy Price em foto de setembro de 2016
 / Foto: AFP
Roy Price em foto de setembro de 2016
Foto: AFP
AFP

A Amazon suspendeu o diretor de sua unidade de filmes e séries após acusações de assédio sexual feitas por uma produtora de televisão, anunciou a empresa. Um porta-voz afirmou que o diretor da Amazon Studios, Roy Price, recebeu uma "licença efetiva imediatamente".

A medida foi adotada depois que Isa Hackett, produtora de "The Man in the High Castle", uma das principais séries de TV da Amazon, contou à revista The Hollywood Reporter que o executivo fez várias propostas sexuais em julho de 2015.

A denúncia

Hackett, filha do escritor Philip K. Dick, autor da história adaptada na série, afirmou que Price, de 51 anos, fez insinuações lascivas em um táxi a caminho da Comic-Con em San Diego, Califórnia.

Ela disse que deixou claro que não estava interessada - pois é lésbica, com esposa e filhos -, mas que Price insistiu, de acordo com a revista, e inclusive se aproximou dela durante o evento e gritou "sexo anal" em seu ouvido.

Hackett, de 50 anos, disse ao Hollywood Reporter que relatou o comportamento de Price aos executivos do estúdio, que iniciaram uma investigação. Mas ela nunca foi informada sobre os resultados.



As acusações foram divulgadas no momento em que a atriz Rose McGowan criticava o dono da Amazon, Jeff Bezos, ao afirmar no Twitter que a empresa havia ignorado sua denúncia de que o produtor Harvey Weinstein - caído em desgraça - a violentara.

McGowan, de 44 anos, afirmou que repetidamente havia advertido a Amazon sobre "HW" e pediu para não trabalhar com o produtor, mas um executivo disse que "isso não havia isso provado".

Rose McGowan é uma das atrizes citadas em uma reportagem do New York Times que teve um acordo amistoso com Harvey Weinstein após um incidente.

"@jeffbezos, peço para que deixe de financiar estupradores, supostos pedófilos e agressores sexuais. Amo a Amazon, mas há coisas podres em Hollywood", escreveu a atriz ana rede social.

A empresa informou que está examinando as opções para projetos atualmente em curso com The Weinstein Company.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM