Jornal do Commercio
Polêmica

Processo de Frota para obter prótese peniana se torna público

Em 2014, o ator Alexandre Frota travou batalha judicial com o Plano de Saúde Bradesco para conseguir o implante de uma prótese peniana

Publicado em 13/11/2017, às 17h30

Alexandre Frota / Foto: Divulgação
Alexandre Frota
Foto: Divulgação
JC Online

Em 2014, o ator e militante da extrema-direita nas redes sociais, Alexandre Frota, travou batalha judicial com o Plano de Saúde Bradesco para conseguir o implementar uma prótese peniana, porém, esse caso foi mantido em segredo de justiça até o último 31 de outubro, quando se tornou público por uma decisão judicial.

Segundo relato no processo, quando entrou com a ação, ele foi ao consultório médico queixando-se de dor extrema na região peniana próxima ao escroto (região penescrotal).

Em consulta, relatou “dificuldades extremas em obter uma ereção peniana satisfatória, que permitisse ao mesmo a realização do ato sexual”. Alexandre foi diagnosticado pelo Dr. Carlos Augusto Cruz de Araújo Pinto como portador de disfunção erétil. De acordo com petição do advogado, “Frota foi submetido a tratamentos injetáveis com medicamentos que induzem a ereção e, mesmo assim, a resposta não foi suficiente e o paciente continuou sem obter ereção satisfatória”.



Patologia progressiva

A defesa de Frota apontou probabilidade de riscos no caso de o tratamento solicitado não ser realizado: “Este tipo de patologia é progressiva, e este indivíduo evolui de forma gradativa para um quadro de disfunção erétil severa. Neste estágio da doença, os riscos de perda total da ereção são altíssimos e, caso o paciente não se submeta a procedimento cirúrgico para a reversão do quadro, o mesmo pode atingir um estágio que impossibilite inclusive a solução cirúrgica aqui solicitada”.

O advogado ainda defendeu a parte emocional do seu cliente: “A incapacidade de obter ereção necessária vem o abalando, uma vez que sempre teve vida sexual ativa com a sua parceira”, e ainda completou com a ênfase na urgência dizendo “o quadro deste paciente é extremamente grave e necessita de intervenção cirúrgica URGENTE, pois seu quadro também é progressivo e a demora na execução do tratamento indicado pode acarretar em atrofia peniana severa, comprometendo de uma vez por todas a sua capacidade de obter ereção.”

Frota foi à justiça pois o plano de saúde só se propôs a pagar uma prótese não inflável. Mas, de acordo com a petição, este modelo “além de não restabelecer as funções físicas de forma satisfatória, pois não atinge o mesmo nível de ereção e espessura de uma prótese inflável de 3 volumes, causa inibição e constrangimento ao paciente, pois o pênis permanecerá sempre em posição de ereção, o que pode provocar constrangimentos psicológicos em locais de convívio social como praias, piscinas, saunas e tem restrições à prática de exercícios físicos, muitas vezes necessários por recomendação médica, ou pode se afastar do convívio familiar por constrangimento, como por exemplo, receio que uma criança da família possa perceber o implante não inflável perante os demais membros da família."


Recomendados para você


Comentários

Por sabino,15/11/2017

Testa no do Zé de Abreu.

Por Paulo,14/11/2017

Agora eu entendi a raiva que ele tem das mulheres.

Por Tony,14/11/2017

Castigo vem a galope!!!

Por Wil,14/11/2017

E daí? Percebi um pouco de reportagem nesta esquerdice.

Por Rômulo,14/11/2017

Pesquisando com cuidado, averiguei que a matéria procede. Desconsiderem meu comentário sugerindo que seria fake news.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM