Jornal do Commercio
Terapia

Beyoncé e Solange tiveram ajuda psicológica para aprenderem a lidar com a fama

A mãe das cantoras, Tina Knowles, disse que sempre tentou fazer com que não houvesse competitividade entre as duas e nem insegurança

Publicado em 16/05/2018, às 13h46

Beyonce e Solange Knowles / Foto: Getty Images
Beyonce e Solange Knowles
Foto: Getty Images
Estadão Conteúdo

Há alguns dias, Tina Knowles Lawson, arquiteta e mãe de Beyoncé e Solange Knowles, deu uma entrevista ao programa Architects of Chance no Facebook, e falou um pouco sobre como foi a criação de suas filhas.

Ela contou que, quando eram adolescentes, Beyoncé e Solange tiveram acompanhamento psicológico, uma espécie de aconselhamento, para Beyoncé, mais velha, aprender a ser mais sensível com a irmã mais nova. "Solange tinha uns cinco anos quando a Beyoncé já era uma superstar na nossa cidade. Então eu as levei para um aconselhamento para que, desde cedo, Beyoncé pudesse ser mais sensível com Solange, com o que ela teria de lidar. Eu gastei muito tempo ensinando minhas meninas a não serem inseguras", disse.



Tina contou que sempre tentou criar uma ambiente em que a negatividade e a competição não existam, porque, quando ela mesma era criança, sentia que sua mãe amava mais seu irmão do que ela. "No meu salão, por exemplo, eu falava para meus cabeleireiros apoiarem uns aos outros, nunca falar por trás ou serem negativos. Sem competição. E assim as fofocas foram embora", contou.

Assista ao vídeo (em inglês):


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM