Jornal do Commercio
TÉCNICA

Questões discursivas e redação nos concursos exigem atenção especial dos candidatos

Prova requer capacidade de escrever no papel exatamente aquilo que está sendo solicitado e a técnica de fazer isso da forma mais coerente possível

Publicado em 21/07/2014, às 11h00

Escrever, corrigir e tirar dúvidas em sala de aula ajudam na preparação dos candidatos / Foto: Guga Matos/JC Imagem

Escrever, corrigir e tirar dúvidas em sala de aula ajudam na preparação dos candidatos

Foto: Guga Matos/JC Imagem

Rossini Gomes
rpgomes@jc.com.br

O espaço está lá, com as linhas em branco, e a missão do candidato é escrever. Diferente das proposições assertivas (o tradicional marcar “x”), as questões discursivas e a prova de redação exigem dos concurseiros a capacidade de escrever no papel exatamente aquilo que está sendo solicitado e a técnica de fazer isso da forma mais coerente possível. Cobranças típicas nos mais variados concursos públicos das esferas municipal, estadual e federal, ambas têm perfis específicos e requerem atenção especial do candidato.

“Qualquer concurso pode ter questões discursivas, não tem uma regra para isso. Agora, é mais comum haver em seleções de nível médio”, diz a especialista em concurso público e proprietária da S.O.S. Concurseiro, Letícia Nobre. Ela conta que há cargos que exigem etapas específicas de questões do gênero. “É o caso de seleções para diplomatas, juízes e procuradores. São provas discursivas densas, com questões com grande quantidade de linhas e próprias do judiciário”, conta Letícia, lembrando que “tem gente que foge de provas com questões discursivas por medo.”

É o caso da assistente social Millena Fontes, 29 anos. Aluna do Espaço Heber Vieira, curso preparatório no Recife, ela está estudando para os concursos da Câmara Municipal do Recife, do INSS e da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) da Paraíba. “Nenhum exige questão discursiva ou redação, por isso estou fazendo”, revela. “Eu fico travada com a redação, dá uma ansiedade, porque a gente só fica sabendo do tema na hora e por causa do tempo. No caso das discursivas também. São questões diferentes das outras, dá uma angústia para saber se a resposta está sendo feita corretamente”, conta.

O último concurso feito por Millena que exigiu questão subjetiva foi o da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe). “Fiz a redação e foi péssima. É uma parte da prova que tenho bastante dificuldade”, lembra, acrescentando que não estava preparada por ter focado os estudos no concurso da Ebserh.

Para evitar o bloqueio enfrentado por Millena e se preparar bem, o professor de língua portuguesa Agnaldo Martino, da Rede LFG, dá dicas aos conscurseiros que irão enfrentar esse tipo de questão. Ele destaca como principais vilões dos candidatos a falta de leitura e de treino. “A pessoa que costuma ler jornais, revistas ou mesmo obras literárias terá mais facilidade e segurança na hora de escrever o texto. E também é preciso praticar. O ideal é escrever pelo menos uma redação por semana. Tem candidatos que, infelizmente, só deixam para fazer a redação na hora da prova, e isso é um erro”, assegura Martino.

Segundo o professor, os erros mais cometidos pelos candidatos ao redigirem o texto são acentuação, regência e concordância. Ele lembra que, na correção, cada falha tem o mesmo peso, seja o erro simples ou grosseiro.

DISCURSIVAS - Diferentemente da redação, cujo tema é sabido apenas na hora do exame, as questões discursivas sempre trazem uma temática solicitada no edital, assegura o professor. “Por exemplo, no concurso para o cargo de analista do INSS, a questão vai ser ligada ao conteúdo programático referente àquele cargo. Algo muito conhecido como estudo de caso”, diz. “Por causa dessa relação, o candidato deve ter em mente que ao estudar para a prova objetiva, também está se preparando para as questões discursivas. Por isso, é bom fazer anotações, isso ajuda a reter a informação e a resolver as discursivas”, completa.

Quanto à resposta, o professor aconselha escrevê-la em um único parágrafo. “Como se fosse um minitexto dissertativo, apresentando, desenvolvendo e concluindo a resposta em um único trecho.”

Leia mais na edição desta segunda-feira (21) do Jornal do Commercio.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM