Jornal do Commercio
JC 360

Lisboa se aventura nos mares da tecnologia e da indústria criativa

O vento a favor tem soprado com tanta força que a cidade já virou sede do maior encontro europeu de tecnologia, empreendedorismo e inovação

Publicado em 19/04/2017, às 08h47

Criado em 2010, o WebSummit sempre ocorreu na Irlanda. No ano passado, o organizador visitou Portugal, gostou do que viu e decidiu que as três edições seguintes já seriam realizadas no país / Foto: LX Factory/divulgação
Criado em 2010, o WebSummit sempre ocorreu na Irlanda. No ano passado, o organizador visitou Portugal, gostou do que viu e decidiu que as três edições seguintes já seriam realizadas no país
Foto: LX Factory/divulgação
JC Online

Esqueça qualquer traço da melancolia e da saudade tradicionalmente atribuídas a Portugal. Lisboa, a capital do país, é alegre, criativa e se destaca como uma das principais cidades da Europa para quem quer empreender, inovar e viver numa autêntica aldeia global. Ligados fisicamente ao mundo por uma malha aérea que se estende para além do continente europeu e chega à África, à América do Norte e do Sul e até a algumas regiões da Ásia, os lisboetas replicam a ousadia dos grandes navegadores do passado e se arriscam com tudo nos mares digitais e da indústria criativa.

O vento a favor tem soprado com tanta força que a cidade já virou sede do maior encontro europeu de tecnologia, empreendedorismo e inovação e, este mês, a emissora de TV CNN voltou a elegê-la capital mais cool do continente – a primeira vez foi em 2014.

As razões elencadas pelo canal para conceder o título a Lisboa, e preterir concorrentes mais robustos como Londres, Paris, Madri e Berlim, estão a olhos nus para quem vive e visita a cidade: a gastronomia experimental, o design moderno, a arte, os castelos, as praias e, claro, a vida noturna. “Lisboa é uma cidade cosmopolita”, diz a restauradora alagoana Marta Tavares, que há 22 anos deixou o Recife para morar em Portugal. “Tem uma noite agitadíssima e aqui você encontra gente de todo o mundo, o italiano, o francês, o paquistanês, o indiano, o chinês, o japonês, uma grande diversidade cultural”, completa.

Noite agitada, mar com ondas gigantescas, diversidade cultural e boa infraestrutura tecnológica foram também os motivos que levaram o irlandês Paddy Cosgrave a transferir para Lisboa a sede do WebSummit, evento de três dias que reuniu em novembro cerca de 50 mil dos mais importantes profissionais de tecnologia e empreendedorismo do mundo.

WebSummit

Criado em 2010, o encontro sempre ocorreu na capital irlandesa, Dublin. No ano passado, o organizador visitou Portugal, gostou do que viu e decidiu que as três edições seguintes já seriam realizadas no país, a começar pela de 2016. Calcula-se que evento injetou € 200 milhões, cerca de R$ 666 milhões, na economia local. "O impacto poderá ser analisado dentro de cinco a 10 anos do ponto de vista de como ajuda as empresas portuguesas", disse Cosgrave no discurso de encerramento.



Além das características culturais da cidade, iniciativas institucionais, sejam estatais ou privadas, também tem alimentado a cena empreendedora em Portugal, principalmente depois que a crise econômica levou cerca de um milhão de desempregados a deixar o país, a maioria jovens recém-formados, e a abertura de novos negócios na área criativa foi uma das únicas opões oferecidas a quem não conseguiu arredar o pé.

Tem surgido, então, um ecossistema composto por investidores, incubadoras, espaços colaborativos e programas de aceleração. Espaços para abrigar as iniciativas não faltam, e criatividade para tocá-las também. A LX Factory é o exemplo mais explícito.

Desativada há anos, a Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense teve sua sede de 23 mil m² transformada por uma emprea de investimento imobiliário em uma das principais áreas de empreendedorismo, lazer e entretenimento de Lisboa. O complexo de edifícios, construído na metade do século 19, nem chegou a ser reformado.

Mantém as características de um espaço fabril, inclusive com máquinas. Mas para onde se olha é possível ver um negócio, seja um restaurante no antigo armazém de ferramentas, uma agência de publicidade moderna no andar de escritórios ou uma livraria numa galpão gigante, com direito a café em meio à estrutura de um maquinário com mais de cinco metros de altura.

Os negócios da LX Factory são diversos e se retroalimentam. Os cafés e restaurantes são frequentados pelos visitantes, mas também pelos funcionários e empreendedores das outras empresas e muitas prestam serviço ou trabalham em parceria com os vizinhos. Nos fins de semana, o espaço se abre para os turistas e moradores da cidade, com feiras, exposições, espetáculos musicais e o que mais os operários do mundo criativos conseguirem imaginar e fazer.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM