Jornal do Commercio
Dow Jones

Bolsas de NY fecham perto da estabilidade com agenda fraca

Espera de balanços corporativos influenciaram fechamento das bolsas

Publicado em 17/07/2017, às 19h19

Bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta segunda-feira / Foto: AFP
Bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta segunda-feira
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

As bolsas de Nova York encerraram o pregão desta segunda-feira (17) praticamente inalteradas, em meio à agenda macroeconômica fraca e à espera de balanços corporativos.

Os índices Dow Jones e S&P 500 recuaram das máximas históricas obtidas na sexta-feira. Enquanto o primeiro terminou com recuo de 8,02 pontos (-0,04%), aos 21.629,72 pontos, o segundo cedeu 0,13 ponto (-0,01%), aos 2.459,14 pontos. Na contramão, o Nasdaq subiu 1,96 ponto (0,03%), para 6.314,43 pontos.

Analistas ressaltam que, em meio ao período de silêncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que divulga a decisão de política monetária no dia 26 de julho, as atenções vão se voltar somente para a agenda de balanços.

"Esta semana será sobre balanços, balanços, balanços e somente balanços", afirmou o chefe de análise de mercados de capitais das Américas do Deutsche Bank Wealth Management, Nick Angilletta



A Netflix informou após o fechamento dos mercados que o lucro líquido passou de US$ 40,76 milhões (US$ 0,09 por ação) no segundo trimestre de 2016 para US$ 65,60 milhões (US$ 0,15 por ação) em igual período de 2017. A empresa relatou ainda que o número de assinantes saltou 1,1 milhão de usuários domésticos e 4,1 milhões no estrangeiro. No after-hours em Nova York, as ações da Netflix subiam 9,96%.

Para esta semana estão previstos ainda os resultados do Bank of America Merril Lynch e Goldman Sachs (terça-feira), Morgan Stanley e Alcoa (quarta-feira) e Microsoft (quinta-feira).

Empire State

No campo econômico, o único indicador relevante desta segunda-feira foi o índice Empire State de atividade industrial, medido pelo Fed de Nova York, que provocou poucas apostas. O dado passou de 19,8 em junho para 9,8 julho. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam recuo menor, a 15,0. Fonte: Dow Jones Newswires


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM