Jornal do Commercio
COMBUSTÍVEL

China quer ampliar o uso do etanol até 2020

Atualmente, os biocombustíveis estão relegados a um patamar mínimo na China

Publicado em 13/09/2017, às 08h17

Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços / Foto: Pinterest
Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços
Foto: Pinterest
AFP

A China pretende ampliar o uso de etanol combustível a todo seu território, segundo um projeto governamental apresentado nesta quarta-feira e que demonstra o desejo de Pequim de reforçar a luta contra a poluição e de buscar possibilidades para os colossais excedentes de milho.

"Está previsto apoiar até 2020 o uso de etano combustível no conjunto do país e garantir uma cobertura máxima completa, reforçando as capacidades da indústria dos biocombustíveis", afirma o documento divulgado pelo NDCR, o poderoso órgão de planejamento econômico, em cooperação com a Administração de Energia.

Os biocombustíveis estão relegados a um patamar mínimo na China, o maior mercado automobilístico do planeta, onde representam apenas 1% do volume de produtos petroleiros consumidos.

Posteriormente, "até o fim de 2025, (o país) deverá começar a produzir em grande escala etanol a base de celulose (matéria vegetal) e a melhorar suas tecnologias para alcançar os padrões internacionais", completa o texto.

O objetivo é reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa para diminuir a poluição atmosférica nas grandes cidades chinesas, mas também "um melhor uso das produções agrícolas vencidas ou excedentes".



O etanol pode ser produzido a partir de cana-de-açúcar, mas também do milho. A China possui um excedente colossal de milho em suas reservas, avaliado em mais de 200 milhões de toneladas.

Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços.

A China reduziu a previsão de colheita de milho para 2017/18, mas as autoridades buscam maneiras de esgotar os gigantescos excedentes nacionais, de qualidade frequentemente inferior e que deterioram com o tempo.

A longo prazo, o país tem outros ingredientes em vista para os biocombustíveis. "A China produz anualmente mais de 400 milhões de resíduos vegetais de palha ou  silvicultura, 30% deles poderiam ser utilizados para produzir 20 milhões de toneladas de biocombustíveis", destaca a Administração de Energia.

Atualmente, o consumo chinês de biocombustíveis alcança 2,6 milhões de toneladas por ano. A China é o terceiro maior país produtor - muito distante de Estados Unidos e Brasil - e espera aumentar sua produção a quatro milhões de toneladas até 2020.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM