Jornal do Commercio
COMBUSTÍVEL

China quer ampliar o uso do etanol até 2020

Atualmente, os biocombustíveis estão relegados a um patamar mínimo na China

Publicado em 13/09/2017, às 08h17

Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços / Foto: Pinterest
Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços
Foto: Pinterest
AFP

A China pretende ampliar o uso de etanol combustível a todo seu território, segundo um projeto governamental apresentado nesta quarta-feira e que demonstra o desejo de Pequim de reforçar a luta contra a poluição e de buscar possibilidades para os colossais excedentes de milho.

"Está previsto apoiar até 2020 o uso de etano combustível no conjunto do país e garantir uma cobertura máxima completa, reforçando as capacidades da indústria dos biocombustíveis", afirma o documento divulgado pelo NDCR, o poderoso órgão de planejamento econômico, em cooperação com a Administração de Energia.

Os biocombustíveis estão relegados a um patamar mínimo na China, o maior mercado automobilístico do planeta, onde representam apenas 1% do volume de produtos petroleiros consumidos.

Posteriormente, "até o fim de 2025, (o país) deverá começar a produzir em grande escala etanol a base de celulose (matéria vegetal) e a melhorar suas tecnologias para alcançar os padrões internacionais", completa o texto.

O objetivo é reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa para diminuir a poluição atmosférica nas grandes cidades chinesas, mas também "um melhor uso das produções agrícolas vencidas ou excedentes".



O etanol pode ser produzido a partir de cana-de-açúcar, mas também do milho. A China possui um excedente colossal de milho em suas reservas, avaliado em mais de 200 milhões de toneladas.

Grande parte da colheita nas regiões norte e nordeste da China é comprada por órgãos estatais, em particular para manter os preços.

A China reduziu a previsão de colheita de milho para 2017/18, mas as autoridades buscam maneiras de esgotar os gigantescos excedentes nacionais, de qualidade frequentemente inferior e que deterioram com o tempo.

A longo prazo, o país tem outros ingredientes em vista para os biocombustíveis. "A China produz anualmente mais de 400 milhões de resíduos vegetais de palha ou  silvicultura, 30% deles poderiam ser utilizados para produzir 20 milhões de toneladas de biocombustíveis", destaca a Administração de Energia.

Atualmente, o consumo chinês de biocombustíveis alcança 2,6 milhões de toneladas por ano. A China é o terceiro maior país produtor - muito distante de Estados Unidos e Brasil - e espera aumentar sua produção a quatro milhões de toneladas até 2020.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM