Jornal do Commercio
BITCOIN

Bitcoin está a ponto de superar recorde de US$ 10 mil dólares

Em um ano, o valor do bitcoin se multiplicou por dez, atingindo recordes inesperados em tão pouco tempo

Publicado em 28/11/2017, às 13h08

Os lucros podem alcançar grandes proporções, alerta o analista James Hughes / Foto: Pixabay/Reprodução
Os lucros podem alcançar grandes proporções, alerta o analista James Hughes
Foto: Pixabay/Reprodução
AFP

A moeda virtual bitcoin subia com força nesta terça-feira (28), aproximando-se do nível recorde dos 10 mil dólares, depois de ter visto seu valor se multiplicar por dez em um ano, uma disparada que pode provocar o temor de uma "bolha especulativa".

O bitcoin, vendido e comprado em plataformas digitais especializadas, valia 9.855 dólares às 9h00 GMT (7h00 de Brasília), segundo dados da agência Bloomberg. Sua cotação subiu quase 50% nas últimas duas semanas. 

Em meados de outubro, a divisa era negociada por 5 mil dólares. A disparada recente é ainda mais impressionante considerando que o bitcoin começou o ano em torno de mil dólares, antes de cair - como acontece com regularidade. 

Por ora, deve manter sua ascensão. "Não se vê no horizonte nenhum fator suscetível de fazê-lo recuar", disse à AFP Shane Chanel, do escritório ASR Wealth Advisers, em Sydney.

Sem existência física, o bitcoin se apoia em um sistema de pagamento entre pessoas P2P, baseado em uma tecnologia chamada "blockchain", é negociado em plataformas específicas e não tem curso legal. 

A criptomoeda tampouco é regulamentada por um banco central, ou governo, mas sim por uma grande comunidade internacional. Ela é aceita em um número cada vez maior de transações, como em restaurantes e no setor imobiliário. 

Segundo seus defensores, ele oferece uma alternativa segura às divisas tradicionais: o sistema de "blockchain" impossibilita a falsificação de transações, porque, para mudar uma informação, seria preciso que todos os usuários a alterassem simultaneamente. 



Essa característica interessa muito ao setor bancário, onde o "blockchain" poderia simplificar as transações digitais.

 

Wall Street à espreita 

O grupo americano CME, uma das maiores bolsas do mundo, anunciou no fim de outubro que vai oferecer produtos derivados que possam especular com o bitcoin. 

Em Wall Street, o banco de negócios Goldman Sachs também contempla incluir o bitcoin para seus clientes, disse uma fonte próxima à entidade à AFP no começo de outubro. Seu concorrente JPMorgan Chase declarou-se "muito aberto" às criptomoedas "controladas e reguladas corretamente". 

A chegada desses investidores institucionais a um mercado até agora dominado por atores individuais "poderia tranquilizar sobre o fato de que se trata de um objeto de investimento (normal) para o sistema financeiro", explica à AFP Daisuke Yasaku, pesquisador no Instituto de Pesquisa Daiwa de Tóquio. 

Contudo, em meados de setembro, o presidente do JPMorgan, Jamie Dimon, tinha afirmado que o bitcoin era uma "fraude". "É a própria definição de uma bolha", afirmou recentemente o diretor do Crédit Suisse, Tidjane Thiam.

As flutuações do bitcoin despertaram o temor de uma alta especulativa: em seu lançamento, em fevereiro de 2009, um bitcoin valia apenas centavos de dólar. 

Até então, grandes bancos evitam trabalhar com o bitcoin, enquanto alertam para os riscos da divisa, muito usada em transações ilícitas, já que não tem nenhum controle. 

Sem nenhuma regulamentação, "os lucros podem ser colossais, mas o riscos de movimentos de venda também", alerta James Hughes, analista da empresa de corretagem AxiTrader. 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM