Jornal do Commercio
BITCOIN

Bitcoin está a ponto de superar recorde de US$ 10 mil dólares

Em um ano, o valor do bitcoin se multiplicou por dez, atingindo recordes inesperados em tão pouco tempo

Publicado em 28/11/2017, às 13h08

Os lucros podem alcançar grandes proporções, alerta o analista James Hughes / Foto: Pixabay/Reprodução
Os lucros podem alcançar grandes proporções, alerta o analista James Hughes
Foto: Pixabay/Reprodução
AFP

A moeda virtual bitcoin subia com força nesta terça-feira (28), aproximando-se do nível recorde dos 10 mil dólares, depois de ter visto seu valor se multiplicar por dez em um ano, uma disparada que pode provocar o temor de uma "bolha especulativa".

O bitcoin, vendido e comprado em plataformas digitais especializadas, valia 9.855 dólares às 9h00 GMT (7h00 de Brasília), segundo dados da agência Bloomberg. Sua cotação subiu quase 50% nas últimas duas semanas. 

Em meados de outubro, a divisa era negociada por 5 mil dólares. A disparada recente é ainda mais impressionante considerando que o bitcoin começou o ano em torno de mil dólares, antes de cair - como acontece com regularidade. 

Por ora, deve manter sua ascensão. "Não se vê no horizonte nenhum fator suscetível de fazê-lo recuar", disse à AFP Shane Chanel, do escritório ASR Wealth Advisers, em Sydney.

Sem existência física, o bitcoin se apoia em um sistema de pagamento entre pessoas P2P, baseado em uma tecnologia chamada "blockchain", é negociado em plataformas específicas e não tem curso legal. 

A criptomoeda tampouco é regulamentada por um banco central, ou governo, mas sim por uma grande comunidade internacional. Ela é aceita em um número cada vez maior de transações, como em restaurantes e no setor imobiliário. 

Segundo seus defensores, ele oferece uma alternativa segura às divisas tradicionais: o sistema de "blockchain" impossibilita a falsificação de transações, porque, para mudar uma informação, seria preciso que todos os usuários a alterassem simultaneamente. 



Essa característica interessa muito ao setor bancário, onde o "blockchain" poderia simplificar as transações digitais.

 

Wall Street à espreita 

O grupo americano CME, uma das maiores bolsas do mundo, anunciou no fim de outubro que vai oferecer produtos derivados que possam especular com o bitcoin. 

Em Wall Street, o banco de negócios Goldman Sachs também contempla incluir o bitcoin para seus clientes, disse uma fonte próxima à entidade à AFP no começo de outubro. Seu concorrente JPMorgan Chase declarou-se "muito aberto" às criptomoedas "controladas e reguladas corretamente". 

A chegada desses investidores institucionais a um mercado até agora dominado por atores individuais "poderia tranquilizar sobre o fato de que se trata de um objeto de investimento (normal) para o sistema financeiro", explica à AFP Daisuke Yasaku, pesquisador no Instituto de Pesquisa Daiwa de Tóquio. 

Contudo, em meados de setembro, o presidente do JPMorgan, Jamie Dimon, tinha afirmado que o bitcoin era uma "fraude". "É a própria definição de uma bolha", afirmou recentemente o diretor do Crédit Suisse, Tidjane Thiam.

As flutuações do bitcoin despertaram o temor de uma alta especulativa: em seu lançamento, em fevereiro de 2009, um bitcoin valia apenas centavos de dólar. 

Até então, grandes bancos evitam trabalhar com o bitcoin, enquanto alertam para os riscos da divisa, muito usada em transações ilícitas, já que não tem nenhum controle. 

Sem nenhuma regulamentação, "os lucros podem ser colossais, mas o riscos de movimentos de venda também", alerta James Hughes, analista da empresa de corretagem AxiTrader. 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM