Jornal do Commercio
AÇO

China, líder mundial de aço e alumínio, é acusada de dumping

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau acusou a China 'concorrência desleal'

Publicado em 13/03/2018, às 13h51

A China produz cerca de metade do aço mundial (49,2% do total em 2017, segundo a World Steel Association, a federação internacional do setor), mas representa apenas 2% do aço importado pelos Estados Unidos / Foto: AFP
A China produz cerca de metade do aço mundial (49,2% do total em 2017, segundo a World Steel Association, a federação internacional do setor), mas representa apenas 2% do aço importado pelos Estados Unidos
Foto: AFP
AFP

A China é o principal produtor mundial de aço e alumínio, mas seus parceiros comerciais lhe acusam de vender os metais a preços muitos baixos, o dumping, para se desfazer se deu enorme excedente de produção. 

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, acusou a China, nessa segunda-feira (12), de inundar o mercado mundial de alumínio e aço baratos, o que considera uma "concorrência desleal".

O gigante asiático também está no alvo do presidente americano Donald Trump, que anunciou tarifas aduaneiras pesadas sobre as importações desses dois metais. 

A China produz cerca de metade do aço mundial (49,2% do total em 2017, segundo a World Steel Association, a federação internacional do setor), mas representa apenas 2% do aço importado pelos Estados Unidos.

As usinas siderúrgicas e metalúrgicas chinesas são, em sua maioria, companhias públicas com elevado nível de endividamento.

Em 2017, a produção de aço chinês voltou a crescer 5,7%, a 831,7 milhões de toneladas.

O excedente de produção chinesa fez o preço cair nos últimos anos, e seus parceiros comerciais, como Estados Unidos e União Europeia, entre outros, denunciam subvenções públicas ao setor. 

Produção reduzida

A China reconhece que existe um problema, promete "medidas concretas" e garante ter reduzido sua capacidade de produção em 50 milhões de toneladas no ano passado. 



Diante do 1,1 milhão de toneladas produzido em 2016, Pequim se comprometeu a reduzir esse volume em 150 milhões de toneladas entre 2016 e 2020, uma meta que poderia ser cumprida já neste ano, segundo as autoridades. 

A redução da produção foi reforçada no âmbito de uma grande campanha contra a poluição.

As exportações chinesas de aço caíram 30,5%, a 75,4 milhões de toneladas, de acordo com autoridades chinesas, em parte devido à recuperação do consumo interno. 

Em 2016, durante a cúpula do G20 em Hangzhou (leste da China), o governo se comprometeu a realizar um "fórum mundial" sobre o problema do aço, para avaliar os esforços dos estados na redução da oferta. 

Na semana passada, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) pediu a este fórum que "acelere seus esforços". "Alguns governos continuam subsidiando (...) a siderurgia, exacerbando os desequilíbrios entre oferta e demanda", lamentou a organização, sem citar explicitamente a China. 

O país também foi criticado por sua produção excessiva de alumínio, utilizado, entre outros, na indústria automobilística e aeronáutica. A China produz metade do alumínio do planeta. 

Por ora, o governo chinês pediu às companhias de 28 grandes cidades do norte da China que reduzam em 30% sua produção de alumínio entre novembro e março, em meio à luta contra a poluição atmosférica. Mas outras fábricas continuam a abrir no país.;

Em janeiro e fevereiro deste ano, as exportações de alumínio chinês dispararam 26%, a 817 mil toneladas, segundo autoridades.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM