Jornal do Commercio
emprego

Maior parte da geração nem-nem está na baixa renda

Crise de 2008 piorou perspectivas em todo o mundo para esta parcela da população

Publicado em 11/08/2013, às 05h00

Do JC Online

Fora do Brasil, o contexto da geração nem-nem é diferente. Ela é fruto da crise de 2008, sobretudo nas nações pertencentes à Zona do Euro. Por aqui, a maioria dos jovens desse grupo é pobre. Muitos são mulheres, com destaque para aquelas que tiveram filho muito cedo e não têm com quem deixar as crianças nem contam com assistência do governo.

Assim como Sicleide, Rosemary Monteiro, 21 anos, mora em Nova Descoberta. Com um filho de quatro anos, nem trabalha nem estuda. Largou a escola no 1º ano do ensino médio. Apesar de ter curso de arquivologista e, na bagagem, dois anos de trabalho no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), ela diz que não consegue emprego. 

No Recife, o IBGE mostra que 33,9% dessa geração não chegaram a finalizar o nível fundamental e 16,5% terminaram o fundamental, mas não completaram o nível médio. Chama atenção na cidade os 35% com 11 anos ou mais de estudo, ou seja, que completaram pelo menos o ensino médio. Na prática, também é possível que muitos desses jovens façam parte das classes A e B. 

O coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, observa que a PME não levanta exatamente o que esses jovens fazem. Isso significa que alguns podem não estar na escola nem no trabalho, mas podem estar estudando para o vestibular ou para prestar algum concurso. “Essa é uma lacuna da pesquisa a ser suprida”, adianta o coordenador. 

De toda forma, assusta o alto percentual dentro da geração nem-nem que nunca fez um curso de qualificação profissional ou frequentou, por exemplo, uma escola de idioma. São 76,4% na capital pernambucana e uma média de 76,2% nas seis localidades abordadas pela Pesquisa Mensal de Emprego. Lá atrás, em 2003, esses percentuais eram de 85,1% e 88,2%, respectivamente. Apesar da redução, os percentuais ainda são considerados bastante elevados.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM