Jornal do Commercio
economia economia
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

análise

Focus reduz previsão de inflação em 2013

Para o final deste ano, a mediana para o IPCA passou de 5,82% para 5,81%

Publicado em 02/12/2013, às 09h33


Da Agência Estado

Na reta final de 2013, analistas do mercado financeiro apresentaram poucos ajustes em suas projeções para a taxa de inflação oficial do País. A principal mudança do boletim Focus desta segunda-feira, divulgada pelo Banco Central, foi nas estimativas suavizadas à frente para o IPCA acumulado em 12 meses, que passou de 6,14% para 6,09%. Há quatro semanas, estava em 6,21%. 

Entre os profissionais que mais acertam as previsões para a inflação no médio prazo, o grupo denominado pelo BC de Top 5, o IPCA de 2013 deverá ficar em 5,80%, e não mais em 5,86% como estava uma semana antes - quatro semanas atrás, estava em 5,88%. No caso de 2014, esse mesmo grupo não revisou a expectativa para a inflação oficial do ano que vem, que deve fechar em 5,68%. Um mês atrás, a projeção era de 5,60%.

Para o final deste ano, a mediana para o IPCA passou de 5,82% para 5,81%. Há quatro semanas estava em 5,85%. Já para 2014, a mediana das previsões para a inflação foi mantida em 5,92% não só de uma semana para outra, como também estava um mês. A estimativa para o IPCA de novembro foi recalculada de 0,65% para 0,64%. A taxa é levemente menor do que a esperada um mês atrás, de 0,67%. No caso da mediana das estimativas para o índice em dezembro, houve manutenção da taxa de em 0,72% ante o porcentual de 0,70% registrado quatro semanas antes.

JUROS - Logo após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar a taxa básica e juros, a Selic, em mais 0,50 ponto porcentual, para dois dígitos, profissionais do mercado financeiro decidiram manter suas estimativas para o indicador em 2014. A mediana das previsões para os juros básicos da economia na pesquisa divulgada hoje congelou em 10,50% ao ano. Com o aumento da quarta-feira passada, 25 de novembro, a taxa oficial está em 10% ao ano. 

A Selic média para o ano que vem, no entanto, aumentou de 10,28% para 10,31%, ainda fruto do ajuste feito na última pesquisa Focus do BC. Há um mês, a taxa estava em 10,25%. Sem mais reuniões pela frente este ano, a previsão para o final de 2013 ficou obviamente estacionada em 10,00% ao ano - a Focus nem traz mais o número em sua tabela.

CÂMBIO - As expectativas para o câmbio estão pausadas para 2013 e 2014. A mediana das estimativas para o dólar para o final de 2013 estacionou em R$ 2,30, como já constava na pesquisa Focus da semana passada. A cotação era de R$ 2,25 um mês antes. Para o final de 2014, as previsões para o dólar ficaram estancadas em R$ 2,40 pela 14ª semana consecutiva.

No caso do câmbio médio, houve uma curiosa inversão do comportamento das previsões, já que, para 2013, a taxa ficou estacionada em R$ 2,17, mas foi detectado um leve ajuste para 2014, com a mediana das estimativas passando de R$ 2,35 para R$ 2,36 - quatro semanas atrás, estava em R$ 2,32.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL - Continua consistente a trajetória de queda das expectativas do mercado financeiro para a produção industrial deste ano. A mediana das projeções para este indicador em 2013 foi revisada mais uma vez para baixo, saindo de 1,70% na semana passada para 1,69% agora - um mês atrás estava em 1,77%. Para 2014, no entanto, houve estabilidade da estimativa em 2,50%, mesmo nível visto uma semana e também um mês antes. 

Apesar dos ajustes do mercado para o comportamento do setor manufatureiro, as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2013 não se mexeram. A mediana para o indicador deste ano seguiu em 2,50% pela sexta semana consecutiva. Para 2014, a previsão mediana foi ajustada de 2,10% para 2,11% de uma semana para outra - há quatro semanas estava em 2,13%.

Palavras-chave

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Vale do Douro, no interior de Portugal: terra do Vinho do Porto no foco de turistas e investidores
Rui Manuel Ferreira/ Especial para o JC

> JC Imagem

Vale do Douro, no interior de Portugal: terra do Vinho do Porto no foco de turistas e investidoresPatrimônio da Humanidade: mais antigos registros de vinhos no Douro remontam ao século 3Douro foi primeira região do mundo a ter, em 1756, rigor no controle da origem e qualidade do vinhoVinho do Porto surgiu há 330 anos por interesse de ingleses por um mercado alternativo à FrançaAdegas atuais são espetáculo visual, como a Quinta do Portal, maior da região

Especiais JC

Cobertura das eleições 2014 Cobertura das eleições 2014
Confira a cobertura completa das eleições 2014
Periferia travada Periferia travada
Especial mostra as dificuldades que pessoas que moram no subúrbio do Grande Recife têm para deslocar na periferia
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM