Jornal do Commercio
COMBUSTÍVEIS

Petrobras não precisa considerar inflação para definir preço do combustível

Segundo Pedro Parente, os combustíveis são commodities, não têm preço fixado, e precisam seguir o movimento do mercado internacional

Publicado em 11/01/2017, às 19h31

O presidente da Petrobras informou ainda que a empresa recebeu na semana passada uma proposta de negociação salarial dos petroleiros / Foto: VANDERLEI ALMEIDA/AFP
O presidente da Petrobras informou ainda que a empresa recebeu na semana passada uma proposta de negociação salarial dos petroleiros
Foto: VANDERLEI ALMEIDA/AFP
Agência Brasil

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse hoje (11) que a empresa está seguindo a política de preços de combustíveis e afirmou ainda que a estatal não é obrigada a levar em conta critérios macroeconômicos na fixação de seus preços, ao ser questionado se a inflação é considerada nos cálculos.

Segundo ele, os combustíveis são commodities, não têm preço fixado, e precisam seguir o movimento do mercado internacional. 

“Como acontece com uma padaria quando o trigo aumenta e ela tem que refletir isso no preço do pão, acontece na soja, no café e no minério de ferro. Então, aqui não é uma questão que a Petrobras esteja criando qualquer situação. Ela está reagindo a movimentos dos preços das commodities nos mercados internacionais. Nós não geramos isso. Nós refletimos isso nos preços da companhia”, disse Pedro Parente durante café da manhã com jornalistas na sede da empresa, no centro do Rio de Janeiro.

Sobre repercussão no mercado do preço do diesel e a manutenção do preço da gasolina e que os valores estão fora dos patamares internacionais, Parente rebate críticas as analistas de que os preços adotados pela empresa estão diferentes dos praticados no mercado.

“Divulgamos uma política que estamos seguindo à risca. Nós estamos, de acordo com os nossos cálculos, mantendo exatamente a margem que a gente deseja tanto quanto ao diesel como para a gasolina”, disse.

Negociações salariais

O presidente da Petrobras informou ainda que a empresa recebeu na semana passada uma proposta de negociação salarial dos petroleiros. Segundo ele, a empresa vai analisar nas próximas semanas a proposta.

 

Pedro Parente descartou um novo Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) e citou apenas que poderá haver desligamento voluntário para casos de venda de ativos.

 

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM