Jornal do Commercio
SISTEMA ELÉTRICO

Nordeste consumirá menos energia em fevereiro, estima a ONS

O Subsistema Sudeste/Centro-Oeste puxa a alta nacional da produção

Publicado em 17/02/2017, às 13h25

O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) divulgado nesta sexta também aponta um aumento no custo de geração de energia nos submercados / Foto: Internet/Reprodução
O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) divulgado nesta sexta também aponta um aumento no custo de geração de energia nos submercados
Foto: Internet/Reprodução
Estadão Conteúdo

Apesar do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) aumentar mais uma vez sua projeção para a carga de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) para fevereiro, passando a estimar 69 685 MW médios, o que corresponde a um crescimento de 1,1% ante o verificado no mesmo mês de 2016. A região Nordeste demandará menos produção de energia. Em vez de uma expansão de 6,8% na carga, agora a expectativa é +5,5%. A nova previsão no âmbito nacional corresponde a 215 MW médios adicionais em relação à estimativa anunciada na semana passada, de 69.470 MW médios (alta de 1,7%).

A nova previsão é resultado, principalmente, de uma expectativa de demanda maior para o principal centro de carga do País, o Subsistema Sudeste/Centro-Oeste. O operador agora estima uma carga de 40.994 MW médios no mês, alta de 1,7% na base anual (a projeção anterior apontava para aumento de 1%). Também foi revista para cima a carga para o Sul, de 12.275 MW para 12.411 MW - de uma crescimento de 0,8% para 2%. Já as regiões Nordeste e Norte tiveram os números revistos para baixo. No primeiro caso, em vez de uma expansão de 6,8% na carga, agora a expectativa é +5,5%. Já no Norte, a nova projeção aponta para queda de 0,7%, ante alta de 0,3%, estimada anteriormente.

O ONS também revisou as projeções de chuvas e armazenamento de água nos reservatórios das hidrelétricas. Agora, o operador espera precipitações em 75% da média histórica na área de influência dos reservatórios da região Sudeste, abaixo dos 80% estimados anteriormente. Com isso, no fim do mês os reservatórios da região devem estar em 41,8% de sua capacidade, acima dos 40,25% anotados na quinta-feira, mas abaixo dos 43,6% projetados anteriormente.

Por outro lado, foram revistas para cima as projeções de armazenamento para a região Norte, de 55% da média de longo termo (MLT) para 72%, Nordeste, de 31% para 34%, e Sul de 107% para 114%.

Com isso, os reservatórios dessas regiões devem se recuperar em fevereiro, encerrando o mês em 59,2% no caso da região Sul (ante os 56,19% de quinta), em 20,6% no Nordeste (de 19,21%) e em 44,3% no Norte (de 32,94%).

CMO

O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) divulgado nesta sexta também aponta um aumento no custo de geração de energia nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, enquanto no Nordeste e Norte o valor indica queda.

Para a semana entre 18 a 24 de fevereiro, o Custo Marginal de Operação (CMO) nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul foi fixado em R$ 113,10/MWh, acima dos R$ 103,09/MWh da semana passada. Já no Norte, o custo apresentou forte queda, passando de R$ 102,16/MWh para R$ 15,72/MWh. No Nordeste, o preço seguiu em trajetória de queda, de R$ 165,51/MWh para R$ 142,08. O CMO é utilizado como referência para a definição do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD).

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM