Jornal do Commercio
Carne Fraca

Operação Carne Fraca poderá afetar vendas do Brasil no exterior, diz entidade

Presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, operação poderá afetar imagem da carne brasileira no exterior

Publicado em 17/03/2017, às 19h43


PF informou que aproximadamente 1.100 policiais federais estão cumprindo 309 mandados judiciais, sendo 27 de prisão preventiva / Rovena Rosa/ Agência Brasil
PF informou que aproximadamente 1.100 policiais federais estão cumprindo 309 mandados judiciais, sendo 27 de prisão preventiva
Rovena Rosa/ Agência Brasil
ABr

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, disse nesta sexta-feira (17) que a imagem do Brasil no estrangeiro vai ser muito afetada, de forma negativa, pelo resultado das investigações da Polícia Federal (PF) que culminaram na Operação Carne Fraca, deflagrada nesta quinta-feira. De acordo com a PF, os frigoríficos envolvidos no esquema criminoso colocavam ácido ascórbico em carnes vencidas e as reembalavam para venda nos mercados interno e externo.

Para Castro, a situação é preocupante, porque o Brasil demorou muito tempo para consolidar sua participação no mercado internacional e hoje é um dos grandes exportadores de carne. "Então, com isso, a imagem do país, vai ser muito afetada.”

Castro afirmou que, como a exportação de carne não é feita em bolsa de mercadorias,  mas mercado físico (“oferta e demanda”), o país poderá enfrentar cancelamento de compra e redução de preços. Ele disse que o cenário só não será pior porque, nos Estados Unidos, maiores exportadores de carne de frango, apareceu mais um caso de gripe aviária. “Mas, infelizmente, vamos sentir o impacto negativo aqui.”

Emprego e divisas

Segundo Castro, o Brasil exporta atualmente quase US$ 12 bilhões (o equivalente a quase R$ 40 bilhões) de carnes bovina, suína e de frango por ano. “É um setor que emprega muita gente. Os principais compradores da carne brasileira de frango são a Arábia Saudita, a China eo Japão, que são muito exigentes. Possivelmente, esses países vão cancelar os contratos ou pedir novos certificados.”

O presidente da AEB disse que, eventualmente, poderá haver repercussões em outros países, que podem entender que o Brasil perdeu credibilidade com a emissão de certificados. “É um cenário difícil”, afirmou Castro. Ele lamentou que, depois da notícia de ontem de que o Brasil aumentou, pela primeira vez nos últimos meses, o nível de emprego, ter essa notícia hoje “foi muito ruim”.

Supermercados

A Operação Carne Fraca impactou também no mercado interno. Em nota, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) orientou seus associados a dar prioridade à "qualidade e à segurança na comercialização dos alimentos vendidos em todas as lojas do Brasil”.

A Abras destacou que sempre recomenda a aquisição de produtos com o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF). “Vale ressaltar que as lojas não mantêm produtos perecíveis em estoque por mais de 10 dias, que é o prazo médio entre a produção e a comercialização”, observou. A associação informou  que está aguardando a identificação dos lotes irregulares para tomar as medidas necessárias.

SRB

A Sociedade Rural Brasileira (SRB) destacou a importância da apuração de todos os fatos relacionados à Operação Carne Fraca, assim como a responsabilidade na sua divulgação, de modo que seja realizada com o devido cuidado para esclarecer a opinião pública sobre o grau das diversas irregularidades identificadas.

De acordo com o presidente da SRB, Marcelo Vieira, não é toda a produção do Brasil consumida no mercado interno ou exportada que apresenta os problemas identificados na operação. Para Vieira, as longas investigações da Policia Federal devem ter constatado também boas práticas no setor. "É essencial que esta conformidade também venha a público e assim seja manifestado."

Produtores

Em nota, o Movimento Nacional dos Produtores (MNP) manifestou a insatisfação dos pecuaristas brasileiros diante das ações criminosas cometidas e constatadas dentro dos frigoríficos. O movimento apoiou e parabenizou a ação da Polícia Federal em defesa da qualidade do produto comercializado pela indústria e em defesa do consumidor, "que coloca sua saúde em risco e sai com danos econômicos." 

No documento, o MNP informou que a comercialização de carnes no mercado interno e externo é fundamental para a economia nacional. "Esse fator coloca em cheque não só a credibilidade das unidades frigoríficas, mas todo o trabalho desenvolvido da porteira para dentro [da fazenda], uma vez que um crime dessa proporção pode fechar mercados internacionais e até diminuir os índices de consumo de carne."

"É com preocupação e indignação que os produtores rurais brasileiros, em especial de Mato Grosso do Sul, que possuem reconhecimento pela qualidade crescente a cada safra, avaliam a situação e repudiam os envolvidos", acrescenta a  nota.

De acordo com o MNP, caso confirmada a participação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, "além de uma crise econômica no setor, o cenário se desenvolverá para uma grande crise institucional", uma vez que os pecuaristas, já insatisfeitos com a precificação e desvalorização dos animais, passarão a ser mais atentos e fiscais de seus produtos.

Sindicarne

O Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) e a Associação Catarinense de Avicultura (Acav) também divulgaram nota sobre a Operação Carne Fraca. As duas entidades afirmam que a indústria brasileira da carne, em especial a catarinense, atingiu nas últimas décadas elevado nível de segurança e qualidade em sua operação, condição internacionalmente admirada e reconhecida.

"Os padrões de biosseguridade, os avanços genéticos e a atenção extrema à sanidade e ao manejo fizeram da nossa produção agropecuária uma das mais seguras de todas as cadeias produtivas, graças ao empenho e profissionalização dos produtores rurais e aos pesados, intensos e contínuos investimentos das agroindústrias. As indústrias brasileiras e catarinenses de carnes, notadamente as de aves e suínos, adotam o que há de mais avançado em máquinas, equipamentos, processos e recursos tecnológicos, assegurando alimentos cárneos confiáveis e de alta qualidade", concluiu a nota.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Adilson Alves de Aguiar,21/03/2017

Bom dia, eu gostaria de começar o que que eu acho do preço da carne . que estar um absurdo pela quantidade de animais que existe no pais ,ainda agora estamos comendo carnes podres ,uma verdadeira vergonha para as alteridade governamental ,ainda acho que tem gente que estar ganhando propina para fiscalizar porque todo brasileiro é corrupto .e agora a policia federal tem que fiscalizar coisas de outro órgãos ,uma vergonha este pais.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Prêmio ISS Recife Prêmio ISS Recife
Principal item da receita própria dos municípios, o Imposto Sobre Serviços (ISS) entra no cofre das prefeituras tanto para custear despesas quanto para viabilizar investimentos nas cidades.
#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM