Jornal do Commercio
Comércio Exterior

Carne Fraca: agricultores europeus exigem normas de segurança do Mercosul

"A respeito das conversações comerciais com o Mercosul, enviamos uma carta à Comissão Europeia pedindo que sejam cumpridas nossas normas de segurança e que os países do Mercosul garantam o rastreio individual do gado", indicou o sindicato

Publicado em 20/03/2017, às 09h46

A questão da carne é um dos temas sensíveis nas negociações entre o bloco europeu, por um lado, e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), do outro / Foto: JC Imagem
A questão da carne é um dos temas sensíveis nas negociações entre o bloco europeu, por um lado, e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), do outro
Foto: JC Imagem
AFP

O principal sindicato de agricultores europeus Copa-Cogeca pediu nesta segunda-feira que sejam garantidas as normas de segurança da União Europeia nas negociações em curso com os países do Mercosul, ao expressar sua preocupação com o escândalo da carne brasileira.

"A respeito das conversações comerciais com o Mercosul, enviamos uma carta à Comissão Europeia pedindo que sejam cumpridas nossas normas de segurança e que os países do Mercosul garantam o rastreio individual do gado", indica um comunicado do secretário-geral desta organização, Pekka Pesonen.

Para Pesonen, o bloco sul-americano não tem os mesmos padrões de segurança que a União Europeia, dando como exemplo "o caso do Brasil", e pediu a Bruxelas que alcance "acordos justos e equilibrados sobre a agricultura em qualquer acordo comercial" para não comprometer os padrões de segurança europeus.

Negociações

A questão da carne é um dos temas sensíveis nas negociações entre o bloco europeu, por um lado, e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), do outro, para alcançar um acordo comercial cujas primeiras conversações remontam a 1999 e foram retomadas em 2010 depois de um intervalo de vários anos.

Neste contexto, o escândalo da operação "Carne Fraca" no Brasil, no qual a Polícia Federal desmontou um esquema de propinas dos frigoríficos pagas aos inspetores sanitários para poder camuflar alimentos inapropriados para consumo, aconteceu dias antes do início uma nova rodada de negociações entre os dois blocos nesta segunda-feira, em Buenos Aires.

As conversações na Argentina entre os dois blocos, que decidiram adiar as discussões sobre a carne até a celebração das eleições presidenciais e legislativas na França (abril-junho), são cruciais para saber se é possível alcançar um eventual acordo até o final de 2017.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM