Jornal do Commercio
Carne Fraca

Denúncias sobre a carne brasileira: verdades e exageros

Para o ministro da Agricultura, foi criado um alarde desmedido devido à ''narrativa'' utilizada para divulgar os resultados da Operação Carne Fraca

Publicado em 20/03/2017, às 20h54

Ministério da Agricultura afirma que estudará a fundo as denúncias para indicar à população exatamente quais produtos apresentaram problemas / Foto: Marcela Balbino/JC
Ministério da Agricultura afirma que estudará a fundo as denúncias para indicar à população exatamente quais produtos apresentaram problemas
Foto: Marcela Balbino/JC
AFP

Salmonela, ácidos cancerígenos e etiquetas falsas para disfarçar carne vencida ou avariada: o que se sabe até agora -e o que ainda não- sobre as denúncias de adulteração da carne brasileira?

"Inspetores públicos, mediante pagamento de propina, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva", anunciou a Polícia Federal ao lançar a operação na última sexta-feira. 

Com 21 frigoríficos citados na investigação - três deles suspensos preventivamente pelas autoridades-, o Ministério da Agricultura afirma que estudará a fundo as denúncias para indicar à população exatamente quais produtos apresentaram problemas, saber se foram efetivamente comercializados e, se for o caso, retirá-los de circulação. 

O presidente Michel Temer afirmou neste domingo que "destas 21 unidades, apenas seis delas exportaram nos últimos 60 dias".

Para o ministro de Agricultura, Blairo Maggi, foi criado um alarde desmedido devido à "narrativa" utilizada para divulgar a investigação e afirmou que 99% dos produtores faz as coisas direito.  

- Ácidos cancerígenos? -

Em frigoríficos de pequeno porte foi detectado o uso de produtos cancerígenos para maquiar o aspecto físico e o odor do produto estragado, informou o delegado Moscardi Grillo em entrevista coletiva realizada em Curitiba(sul).

Em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, o fiscal do Ministério de Agricultura Daniel Gouveia Teixeira afirmou que um frigorífico de Curitiba utilizava ácido ascórbico; um descontaminante que se mistura aos produtos para diminuir a contaminação bacteriana e mascarar odores e outras características da carne podre. 

O Ministério afirmou que as substâncias apontadas como "cancerígenas" são na verdade conservantes que, quando utilizados dentro dos limites máximos permitidos, "não representam um risco para a saúde dos consumidores". 

- Etiquetas falsas? -

Em outro frigorífico de pequeno porte, a polícia denunciou a mudança de etiquetas para falsificar a validade de produtos vencidos. 

Em um diálogo com um de seus funcionários reproduzido no despacho judicial, o dono do estabelecimento "não demonstra qualquer surpresa com a substituição de etiquetas de validade em uma carga inteira de carne de barriga" nem com a utilização de carnes vencidas há três meses para a produção de outros alimentos. 

- Salmonela? - 

Os investigadores também apontam que foi identificada a presença de salmonela em produtos da empresa BRF que foram exportados. 

De acordo com a PF, em uma conversa telefônica interceptada pelas autoridades, um diretor da companhia fala sobre a retenção de contêineres da empresa com produtos exportados para Europa e diz que pelo menos em "quatro deles as autoridades sanitárias europeias teriam identificado traços de uma das variações da bactéria popularmente conhecida como salmonela". 

A BRF disse em comunicado que "o tipo de Salmonela encontrado em alguns lotes desses quatro contêineres é o Salmonella Saint Paul, que é tolerado pela legislação europeia para carnes in natura e, portanto, não justificaria a proibição de entrada na Itália. 

"A BRF não incorreu em nenhuma irregularidade", garante. 

- "Mal-entendido" sobre papelão no frango -

Tanto o governo como a BRF afirmaram que a versão de que um funcionário da empresa pretendia misturar carne de frango com papelão de deveu a um "mal-entendido" sobre a conversa telefônica interceptada.

"Não há papelão algum nos produtos da BRF. Houve um grande mal-entendido na interpretação do áudio capturado pela Polícia Federal", informou à empresa. 

"O funcionário estava se referindo às embalagens do produto, não ao seu conteúdo", esclareceu.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por manoel lima,21/03/2017

Nada de exagero, em dezembro do ano passado comprei carne estragada da FRIBOI no supermercado ASSAÍ de Juazeiro-BA, a princípio imaginei que tivesse sido algum cliente que tivesse deixado a carne em algum lugar e que, depois de horas repositores tivessem devolvido ao frizer. Agora caiu a ficha, deveria ter sido estragada mesmo no frigorífico.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM