Jornal do Commercio
MOEDA

Dólar sobe com realização de lucros, Evans e cautela local

Às 9h39 desta segunda-feira (20), o dólar à vista renovou máxima aos R$ 3,1160, em alta de 0,56%

Publicado em 20/03/2017, às 10h13

Às 9h39 desta segunda-feira (20), o dólar futuro para abril estava em alta de 0,64%, aos R$ 3,1240 / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Às 9h39 desta segunda-feira (20), o dólar futuro para abril estava em alta de 0,64%, aos R$ 3,1240
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O dólar renovou máxima na manhã desta segunda-feira (20) no mercado à vista, em meio a compras para realização de lucros, após ter fechado abaixo de R$ 3,10 na sexta-feira, com queda acumulada de 1,44% na semana passada, disse o gerente de mesa de derivativos de uma gestora de recursos. Declarações nesta segunda do presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, de que, se a economia dos EUA realmente melhorar, quatro aumentos de juros são possíveis, ajudaram a fortalecer discretamente a divisa dos EUA no exterior.

Internamente, apesar das projeções favoráveis da Pesquisa Focus para inflação, PIB, Selic e dólar, há um pano de fundo de cautela em relação ao impacto sobre as exportações de carne brasileira das denúncias da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, disse o mesmo profissional. 

Os riscos relacionadas à reforma da Previdência e possíveis quebras de sigilo de delações da Odebrecht, além de eventual aumento de impostos nesta semana, também estão no radar.

Cotação do dólar

Às 9h39, o dólar à vista renovou máxima aos R$ 3,1160, em alta de 0,56%. O dólar futuro para abril estava em alta de 0,64%, aos R$ 3,1240.

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM